O poder de um imóvel tombado

Recentemente foi divulgada na mídia a oferta para venda de imóveis tombados no Largo do Boticário por valores bem significativos. Isso mostra que o nicho de imóveis tombados no Rio de Janeiro também pode trazer boas oportunidades. Para o tombamento de um imóvel, é necessário que o mesmo possua características arquitetônicas que reflitam um valor histórico e cultural, características essas que após o tombamento não podem ser alteradas ou destruídas. Normalmente são imóveis centenários e, por isso, para alguns o tombamento desvaloriza o ativo, pois restringe seu reaproveitamento e o condena a uma obsolescência física funcional com consequente perda de valor, seja para venda ou para locação. Com isso, o mecanismo criado para proteger o bem cultural acaba colaborando para um desgaste acelerado, uma vez que o bem deixa de ser atrativo para o mercado imobiliário, como o Largo do Boticário abandonado há décadas. No entanto, nem todo caso é assim. Veja o exemplo do empreendimento Vila Aymoré, localizado na Ladeira da Glória, bem perto do Largo do Boticário, recentemente retrofitado e restaurado, tendo seu VGV (Volume Geral de Vendas) avaliado pela Apsis Consultoria e superando os R$ 100 milhões de reais para aporte em Fundo de Investimento Imobiliário.Recentemente foi divulgada na mídia a oferta para venda de imóveis tombados no Largo do Boticário por valores bem significativos. Isso mostra que o nicho de imóveis tombados no Rio de Janeiro também pode trazer boas oportunidades. Para o tombamento de um imóvel, é necessário que o mesmo possua características arquitetônicas que reflitam um valor histórico e cultural, características essas que após o tombamento não podem ser alteradas ou destruídas. Normalmente são imóveis centenários e, por isso, para alguns o tombamento desvaloriza o ativo, pois restringe seu reaproveitamento e o condena a uma obsolescência física funcional com consequente perda de valor, seja para venda ou para locação. Com isso, o mecanismo criado para proteger o bem cultural acaba colaborando para um desgaste acelerado, uma vez que o bem deixa de ser atrativo para o mercado imobiliário, como o Largo do Boticário abandonado há décadas. No entanto, nem todo caso é assim. Veja o exemplo do empreendimento Vila Aymoré, localizado na Ladeira da Glória, bem perto do Largo do Boticário, recentemente retrofitado e restaurado, tendo seu VGV (Volume Geral de Vendas) avaliado pela Apsis Consultoria e superando os R$ 100 milhões de reais para aporte em Fundo de Investimento Imobiliário.Recentemente foi divulgada na mídia a oferta para venda de imóveis tombados no Largo do Boticário por valores bem significativos. Isso mostra que o nicho de imóveis tombados no Rio de Janeiro também pode trazer boas oportunidades. Para o tombamento de um imóvel, é necessário que o mesmo possua características arquitetônicas que reflitam um valor histórico e cultural, características essas que após o tombamento não podem ser alteradas ou destruídas. Normalmente são imóveis centenários e, por isso, para alguns o tombamento desvaloriza o ativo, pois restringe seu reaproveitamento e o condena a uma obsolescência física funcional com consequente perda de valor, seja para venda ou para locação. Com isso, o mecanismo criado para proteger o bem cultural acaba colaborando para um desgaste acelerado, uma vez que o bem deixa de ser atrativo para o mercado imobiliário, como o Largo do Boticário abandonado há décadas. No entanto, nem todo caso é assim. Veja o exemplo do empreendimento Vila Aymoré, localizado na Ladeira da Glória, bem perto do Largo do Boticário, recentemente retrofitado e restaurado, tendo seu VGV (Volume Geral de Vendas) avaliado pela Apsis Consultoria e superando os R$ 100 milhões de reais para aporte em Fundo de Investimento Imobiliário.Recentemente foi divulgada na mídia a oferta para venda de imóveis tombados no Largo do Boticário por valores bem significativos. Isso mostra que o nicho de imóveis tombados no Rio de Janeiro também pode trazer boas oportunidades. Para o tombamento de um imóvel, é necessário que o mesmo possua características arquitetônicas que reflitam um valor histórico e cultural, características essas que após o tombamento não podem ser alteradas ou destruídas. Normalmente são imóveis centenários e, por isso, para alguns o tombamento desvaloriza o ativo, pois restringe seu reaproveitamento e o condena a uma obsolescência física funcional com consequente perda de valor, seja para venda ou para locação. Com isso, o mecanismo criado para proteger o bem cultural acaba colaborando para um desgaste acelerado, uma vez que o bem deixa de ser atrativo para o mercado imobiliário, como o Largo do Boticário abandonado há décadas. No entanto, nem todo caso é assim. Veja o exemplo do empreendimento Vila Aymoré, localizado na Ladeira da Glória, bem perto do Largo do Boticário, recentemente retrofitado e restaurado, tendo seu VGV (Volume Geral de Vendas) avaliado pela Apsis Consultoria e superando os R$ 100 milhões de reais para aporte em Fundo de Investimento Imobiliário.
+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.