calculo-de-depreciacao

Cálculo de depreciação: saiba a importância e como fazer

O presente estudo foi elaborado para os interessados em ferramentas de trabalho que traduzam a realidade do mercado quanto à depreciação de bens imóveis e bens móveis e que, conceitualmente, estejam alinhadas ao Estudo de Vidas Úteis.

O cálculo de depreciação de ativos imobilizados considera a perda de valor de um bem ao longo do tempo. Essa desvalorização pode acontecer devido ao uso frequente, ao desgaste natural e à obsolescência técnica.

Com essa estimativa em mãos, as empresas podem reduzir o valor relativo à cobrança de impostos e usufruir de outros benefícios, os quais explicaremos neste artigo. Também detalharemos como realizar esse cálculo e de qual maneira a Apsis pode ajudar a sua empresa. Confira!

O que é o cálculo de depreciação de ativos

Para realizar o cálculo da depreciação de ativos imobilizados, são considerados os bens que fazem parte das operações de um negócio. Então, são incluídos máquinas, imóveis, veículos, equipamentos, móveis, ferramentas, entre outros itens.

No entanto, há bens que não entram nessa conta, pois não são considerados depreciáveis, como os terrenos, os bens que podem ser valorizados com o tempo (como obras de arte), além de prédios que não são alugados nem usados na operação da empresa.

Também não são contabilizados, no cálculo de depreciação, os bens com vida útil inferior a um ano e aqueles que valem menos de R$ 1,2 mil. Além disso, ainda não são chamados de depreciáveis os bens para os quais sejam registrados quotas de exaustão, a exemplo de produtos de exploração de florestas.

O cálculo de depreciação é importante para que a sua empresa saiba quando ainda vale a pena usar um ativo e em que momento ele passa a significar prejuízo. Também dá para antecipar medidas para prolongar a vida útil dos bens. Desse modo, é possível otimizar a produção e evitar gastos inesperados com a troca de equipamentos.

Além disso, o cálculo da depreciação é obrigatório para as empresas tributadas pelo Lucro Real. Por conseguinte, a depreciação é considerada uma despesa e reduz o lucro contábil. Desse modo, os valores do Imposto de Renda (IR) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) também diminuem.

Cálculo de depreciação: como fazer e exemplos

Para montar a planilha de depreciação, você pode utilizar alguns métodos: da linha reta e de unidades produzidas. Veja como realizar o cálculo com cada uma dessas fórmulas a partir de exemplos práticos.

Método da linha reta

A fórmula para calcular a Depreciação Anual (Da) leva em conta três elementos:

  • VN: Valor do ativo novo;
    VR: Valor residual;
    N: vida útil em anos.

Sendo assim, teremos:

Da = (VN – VR) / N

Consideremos o exemplo de um equipamento fabril comprado por R$ 110 mil, que tem uma vida útil de 10 anos e seja reduzido 10% de valor residual anualmente. Então, o cálculo seria:

Da = (110.000 – 11.000) / 10
Da = 9.900

Isso significa que, a cada ano, a máquina seria desvalorizada em R$ 9.900. Com isso, após dois anos, passaria a valer R$ 90.200.

Método de unidades produzidas

Por fim, o método de unidades produzidas serve para mensurar a depreciação a partir do uso ou da produção estimada do ativo. A fórmula usada é D = VN x TD. Nesse caso:

  • D: Depreciação;
  • TD: Taxa de depreciação (pode ser definida com a tabela da Receita Federal ou dividindo-se o número de unidades produzidas pelo total de unidades a produzir na vida útil).

Se o equipamento comprado por R$ 110 mil tiver uma taxa de depreciação de 20%, teremos:

D = 110.000 x 20/100 = 22.000

Como a Apsis pode ajudar a sua empresa?

A Apsis é uma consultoria independente especializada em avaliações e em geração de valor para os clientes. Para você ter uma ideia, nos últimos três anos, já foram somados mais de R$ 600 bilhões avaliados em ativos.

Com mais de 40 anos de experiência, atendemos mais de 2.000 clientes, 80% deles empresas de grande porte. Além disso, contabilizamos mais de 20.000 laudos emitidos e mais de 500 laudos registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

SAIBA COMO GERAR VALOR PARA A SUA EMPRESA COM O BV

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *