RELATO INTEGRADO

A CVM, por meio da deliberação 014/20, tornou obrigatório o uso do framework do Relato Integrado (RI) (CPC 09 – Relato Integrado) para as Companhias Abertas que desejarem fazer uma divulgação mais abrangente sobre suas estratégias e seus respectivos compromissos com os fatores ESG. Mais do que ser um relatório da Administração, o RI visa oferecer ao investidor interessado em adquirir papéis da empresa uma comunicação ampla sobre as estratégias adotadas para o alcance de metas, estabilidade financeira e sustentabilidade; um olhar de dentro para fora do negócio, permitindo ao investidor mais transparência sobre os principais aspectos considerados na tomada de decisão ao investir em um negócio. As informações relacionadas à governança, ao desempenho e à estratégia adotada são fatores fundamentais ao entendimento de como a geração de valor é obtida e quais são os pilares de sustentabilidade que nortearam as decisões gerenciais durante o curso dos negócios. “Geração de valor” ou “valor agregado” são expressões muito conhecidas no mercado. O International Integrated Reporting Council (IIRC), uma coalizão global de reguladores, investidores, organismos de normatização, representantes do setor contábil e de ONGs (Organizações Não Governamentais), elaborou um framework (uma espécie de quadro conceitual) com a colaboração de empresas de setores e países diversos para a aplicação dos princípios que norteiam as estratégias e os processos de divulgação dessas informações de modo globalizado e uniforme. A experiência da Apsis no desenvolvimento de metodologias para projetos de sustentabilidade com viés financeiro foi colocada à disposição do Grupo Técnico formado pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) como forma de contribuir com a seguinte missão: disseminar a prática do Relato Integrado no mercado financeiro e, principalmente, entre os contadores e guardiões das informações financeiras empresariais. A experiência técnica da Apsis foi construída mediante a participação em projetos de Créditos de Carbono (MDL) da Ambev, no desenvolvimento do Índice de Sustentabilidade Corporativa (ISC) no processo de avaliação de empresas, em 2006, e em diversos relatórios para verificação da conformidade de projetos com os Princípios do Equador para a concessão de crédito de acordo com o International Finance Corporation (IFC), braço financeiro do Banco Mundial. Recentemente, acrescentamos ao nosso portfólio técnico a elaboração de Planos de Fechamento de Mina e Planos de Descomissionamento de Plantas Industriais, também com viés ESG e em conformidade com o CPC 25 (Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes).

+ posts

Compartilhar este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *