As 10 maiores construtoras do país em 2011, segundo o ITC

Gafisa lidera o ranking de 2011, seguida pelas construtoras MRV e Cyrela

As maiores

O ITC, uma das consultorias mais tradicionais em fornecimento de dados para o setor de construção, divulgou hoje o balanço das companhias que mais construíram por metro quadrado no país durante 2011.
 
O 8º Ranking ITC das 100 maiores da Construção, engloba tanto construtoras que atuam nos segmentos comercial, residencial e indústria, e traz como grande ganhadora deste ano a Gafisa (no ano de 2010, a vencedora havia sido a mineira MRV).

1º lugar: Gafisa

Total de obras: 296
 
Área Total construída: 7,118 milhões de metros quadrados
 
A construtora Gafisa, que recentemente negou a oferta de compra do fundo pela GP Investimentos e Equity Internacional, foi a que mais construiu, segundo o ranking. A companhia também foi vencedora da categoria "Residencial São Paulo", sendo a construtora com o maior número de metros quadrados construidos no estado de São Paulo.
 
“Comemoramos, em 2011, o maior volume de entregas da nossa história, com mais de 23 mil unidades das nossas três marcas – Gafisa, Tenda e AlphaVille – em todo o País. Sem dúvidas, um mérito do nosso comprometido time de obras”, diz Duílio Calciolari, CEO do Grupo Gafisa.

2º lugar: MRV

Total de obras: 448
 
Área Total construída: 6,171 milhões de metros quadrados
 
A construtora mineira MRV, que liderou o ranking de 2010, ficou em segundo lugar em 2011 – liderou em número de obras realizadas, mas construiu menos em metros quadrados que a concorrente Gafisa.
 
Principal parceira da Caixa Econômica Federal no programa Minha Casa, Minha Vida, a MRV atingiu 4,322 bilhões de reais em vendas contratadas em 2011. Para 2012, a companhia conta com crescimento e anunciou a meta de vendas entre R$ 4,5 bilhões e R$ 5,5 bilhões, com margem Ebitda de 24% a 28%.

3º lugar: Cyrela

Total de obras: 113
 
Área Total construída: 4,900 milhões de metros quadrados
 
A incorporadora Cyrela Brazil Realty fez lançamentos de 7,9 bilhões de reais em 2011, o equivalente a 104% do piso da faixa estimada pela companhia para o ano. As vendas contratadas totais foram de 6,5 bilhões de reais no ano passado e de 2,4 bilhões de reais de outubro a dezembro.
 
Depois de reduzir o número de lançamentos no ano passado, e também de parceiros que cuidavam de obras, especialmente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país, a construtora e incorporadora prevê vendas na faixa entre 6,9 bilhões e 8 bilhões de reais em 2012, contra meta anterior de 8 bilhões a 8,9 bilhões de reais.

4º lugar: Brookfield

Total de obras: 119
 
Área Total construída: 4,855 milhões de metros quadrados
 
O quarto lugar é ocupado no ranking pela construtora Brookfield, com uma área total construída de 4.855.149,33 metros quadrados, segundo o ITC. Assim como a Cyrela, a companhia reduziu a estimativa de lançamentos para 2011, em meados do ano, de entre 4,75 bilhões de reais e 5,25 bilhões de reais para o intervalo de 4 bilhões de reais a 4,2 bilhões de reais no período. Para este 2012, a estimativa é de a companhia lançar entre 4 bilhões de reais a 4,4 bilhões de reais.

5º lugar: PDG

Total de obras: 219
 
Área Total construída: 3,793 milhões de metros quadrados
 
A construtora PDG previa que os lançamentos ficassem entre 9 e 10 bilhões de reais no ano passado e, até dezembro de 2011, lançou 9,008 bilhões de reais em imóveis no ano passado. O resultado é 28,6% maior que os 7,005 bilhões de reais lançados em 2010. Já em relação às vendas, a PDG somou 7,481 bilhões de reais no ano – uma cifra 14,7% maior que a de 2010.
 
Para 2012, a construtora foi uma das poucas a divulgar o guidance do ano, estipulado entre 9,0 bilhões e 11 bilhões de reais de volume geral de vendas. Divulgar a meta de lançamentos é um dos motivos que levou a empresa a ser apontada como queridinha dos analistas, apesar de seus tropeços.

6º lugar: Rodobens

Total de obras: 188
 
Área Total construída: 3,613 milhões de metros quadrados
 
Focada na venda de imóveis de baixa renda, a Rodobens ocupa o sexto lugar no ranking do ITC, ao mesmo em que apresenta alguns dos piores resultados de sua história na bolsa. Em 2011, as ações ordinárias da Rodobens registram uma desvalorização de 33%, enquanto o índice que mede o desempenho do setor imobiliário na bolsa, o IMOB, cai 22%.
 
Um dos principais pontos a serem tratados pela companhia durante este ano, assim como no ano passado, é a redução do endividamento. Os esforços nesse sentido fizeram com que a Rodobens reduzisse os lançamentos, buscando ajustar o ritmo de obras aos valores contratados, além de outras medidas citadas pela companhia.

7º lugar: Even

Total de obras: 88
 
Área Total construída: 2,926 milhões de metros quadrados
 
No sétimo lugar, a construtora Even aparece com o total de 88 obras concluídas em um total de 2,926 milhões de metros quadrados construídos em 2011. No ano passado, a empresa figurou também como uma das mais lucrativas das Américas em 2010, segundo a Economática, com ganhos de 151,5 milhões de dólares.

8º lugar: Direcional

Total de obras: 88
 
Área Total construída: 2,926 milhões de metros quadrados
 
Fundada em 1981, a Direcional Engenharia entrou no mercado imobiliário de baixa renda em 2006 e hoje é uma das principais incorporadoras a atuar no segmento popular – apesar de contar com projetos também para a classe média e média-alta.
 
A companhia encerrou 2011 com um crescimento de 19% nas vendas contratadas, alcançando 1,234 bilhão de reais. Já o volume de lançamentos alcançou 1,447 bilhão de reais, resultado 35,7% maior que o de 2010. Terminou o ano ocupando o oitavo lugar do ranking do ITC.

9º lugar: Plaenge

Total de obras: 178
 
Área Total construída: 1,947 milhões de metros quadrados
 
A construtora paranaense Plaenge Empreendimentos ficou com o oitavo lugar no ranking do ITC de 2011, com 178 obras sendo feitas no período e exatos 1.947.524,29 metros quadrados construídos – resultado à frente de outras construtoras tradicionais no setor, como Rossi, Tecnisa e WTorre.

10º lugar: Toledo Ferrari

Total de obras: 30
 
Área Total construída: 1,643 milhões de metros quadrados
 
O que o décimo lugar da lista do ITC e o cantor Roberto Carlos tem em comum? Fácil responder se você se lembrar da estreia do cantor Roberto Carlos no ramo da construção civil, em sociedade com seu empresário, Dody Sirena, e com o investidor Ubirajara Guimarães, fechada em 2010. Na época, o cantor abriu a Emoções Incorporadora para construir, em parceria com a Toledo Ferrari Construtora e Incorporadora e a AAM Incorporadora, um edifício no bairro paulistano do Itaim Bibi, com apartamentos residenciais e unidades de escritório para classe AAA.
 
Além da Emoções Empreendimentos, a companhia investe em parcerias com Camargo Correa, Helbor e Setin Empreendimentos, entre outras empresas, para a construção de empreendimentos comerciais e residências de médio e alto padrão, que totalizam um VGV (Valor Geral de Vendas) superior a 8 bilhões de reais.

(Tatiana Vaz | Exame)
 

+ posts

Compartilhar este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *