Braskem vai acelerar expansão no país

Depois de dar um salto em seu plano de internacionalização, com a compra dos ativos da Sunoco nos EUA, e projetos de expansão na América Latina, a Braskem deverá acelerar os investimentos no Brasil a partir de 2011. Dentro desse pacote está incluído o Comperj, no qual vai tocar a unidade petroquímica, além da construção de uma nova fábrica de plástico verde para produção de polipropileno (PP). Bernardo Gradin, presidente do grupo, disse que o avanço da companhia no exterior segue firme, mas a maior demanda no mercado interno exige atenção especial.

"Há dois anos, o direcionamento do grupo era voltado para o mercado externo [incluindo os projetos do México, Venezuela, Peru e Bolívia e a unidade nos EUA, adquirida no início deste ano]. A demanda no mercado interno está crescendo e esses projetos terão condições de atender esse espaço", afirmou Gradin.

O grupo levará adiante o projeto do Comperj, que terá seu plano definido no primeiro trimestre de 2011. "Não vamos participar do refino, parte que cabe à Petrobras. Coordenaremos o projeto petroquímico, que poderá ter ou não a participação da estatal." As propostas que serão colocadas para o conselho da companhia envolvem tamanho, escala de produção e produtos que sairão desse complexo, assim como o cronograma e modelo de negócios. O plano está sendo costurado com a Petrobras, que condicionou esse projeto para o fechamento do negócio com a Quattor, anunciado em janeiro.

Em 2011, o grupo pretende investir R$ 1,6 bilhão, valor que não inclui aquisições. Parte desses recursos poderá ser destinada para compra de equipamentos para o Comperj e também para o projeto de plástico verde. A companhia tem planos de levar suas usinas sustentáveis ao exterior, mas a fábrica de PP será tocada no Brasil. "Mesmo no exterior esses projetos devem ser vinculados à produção do etanol brasileiro, que é mais competitivo", disse Gradin. O local não foi definido, mas deverá ser fincada em Estados que são grandes produtores de etanol e onde a Braskem já tem infraestrutura.

O plano da empresa é construir uma fábrica com capacidade de produção de 30 mil toneladas anuais de propeno verde, usado, na sequência, na produção de polipropileno. O investimento previsto é de US$ 100 milhões. A meta é iniciar a produção no segundo semestre de 2013. Essa será a segunda unidade de plástico verde da Braskem – a primeira, de eteno, foi inaugurada em setembro em Triunfo (RS).

Embora também tenha interesse no projeto de Suape, as intenções de investimentos da Braskem seguem indefinidas e só terão uma aprovação nos próximos meses.

Nos EUA, os planos para segunda aquisição deverão ficar para 2011. A empresa também poderá analisar a construção de um projeto "greenfield" (construção a partir do zero), mas ainda não há planos definidos sobre esse tema.

No terceiro trimestre, a companhia registrou receita líquida de R$ 7,276 bilhões, 80% maior sobre igual período de 2009. O lucro líquido ficou em R$ 554 milhões, recuo de 14% sobre igual período do trimestre passado. No acumulado dos nove meses do ano, a receita líquida cresceu 66%, para R$ 18,258 bilhões. O lucro líquido caiu 74%, para R$ 476 milhões.

(Mônica Scaramuzzo e Eduardo Laguna | Valor)

 

 

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *