Cade avaliará impacto regional de fusões no varejo

Brasília – O presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Arthur Badin, disse hoje que os casos que têm chegado ao órgão antitruste na área de varejo para avaliação de aquisições e fusões terão de ser julgados não só no âmbito nacional, mas em relação as atividades locais específicas desses setores.

"O objetivo é evitar concentrações contra a lei", disse a jornalistas após a primeira parte da sessão do Cade de hoje. Para Badin o movimento dessas grandes redes varejistas como Ponto Frio e Pão de Açúcar, Casas Bahia e Pão de Açúcar, Ricardo Eletro e Insinuante e Magazine Luiza e Lojas Maia, é consequência do aumento do poder aquisitivo do consumidor em várias regiões do País.

De acordo com ele, cada operação terá de ser analisada separadamente e de forma bem próxima da área de atuação, dada a abrangência do negócio nos mais diferentes tamanhos de cidades.

Assim, em vez de observar o negócio apenas no âmbito nacional, será preciso analisar cada impacto da operação nos municípios e localidades. No caso de grandes cidades, como São Paulo, o presidente do Cade salientou que a exigência de acompanhamento poderá chegar à esfera de bairros. "Afinal, ninguém cruza a cidade para comprar um ferro de passar roupa", justificou.

(Célia Froufe | Portal Exame)

 

 

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *