As dez maiores aquisições do 1º Trimestre

Três maiores operações do trimestre somam 21,6 bilhões de reais, segundo levantamento da Anbima

1) Incorporação da Vivo pela Telesp por 11,3 bilhões de reais

Entre as maiores operações do primeiro trimestre de 2011, destaca-se a incorporação da Vivo pela Telesp por 11,3 bilhões de reais. A Telesp incorporou ao seu patrimônio a totalidade das ações da Vivo.

Após a Telefônica ter adquirido a fatia da Portugal Telecom na Vivo no começo de 2010 – em uma das maiores operações do ano passado, de 7,5 bilhões de euros -, a Vivo e a Telesp aprovaram, no final de dezembro de 2010, a incorporação das ações da operadora móvel pela concessionária fixa, como parte do processo de reestruturação societária das empresas após aquisição.

Entre as operações de fusões e aquisições realizadas no primeiro trimestre, o setor de TI e Telecom registrou a maior participação no valor total de 32,7 bilhões de reais movimentados no período, com 36% do volume total. Em número de operações, o setor respondeu por 16,6% das 24 operações.

2) Aquisição de participação na Pride International pela Ensco, parte Brasil, por 5,5 bilhões de reais

A operadora de plataformas de petróleo Ensco Plc comprou a concorrente Pride International por cerca de 7,3 bilhões de dólares. Dentro desse acordo, está a fatia de 5,5 bilhões de reais equivalente à aquisição da parte Brasil.

O acordo criou a segunda maior companhia de plataformas de petróleo marítimas do mundo. A companhia combinada tem 21 sondas de perfuração profunda, equivalente à frota da Noble e atrás das 44 da Transocen.

A frota da Ensco está posicionada no Golfo, na Europa, no Oriente Médio e na Ásia, e o acordo adiciona as nove embarcações da Pride no Brasil e cinco na costa oeste da África.
O setor de Petróleo e Gás foi o que teve a segunda maior participação no montante total de fusões e aquisições no primeiro trimestre, com 16,7%.

3) Ashmore Energy vendeu sua participação na Elektro para a Iberdrola por 4,8 bilhões de reais

A Iberdrola, empresa de energia espanhola, comprou 99,7% da distribuidora brasileira de energia Elektro por 4,8 bilhões de reais, aproximadamente. A fatia pertencia à Ashmore Energy.

A distribuidora brasileira atende a 223 municípios paulistas e cinco do Mato Grosso do Sul, totalizando 2,1 milhões de clientes. A área corresponde a 11,5% da energia elétrica distribuída no Estado de São Paulo, segundo a empresa.

No Brasil, a Iberdrola integra o bloco de controle da Neoenergia, acionista majoritária das distribuidoras de energia Cosern, Celpe e Coelba.

O setor de energia teve participação de 14,8% no montante de 32,7 bilhões de reais movimentados por fusões e aquisições no primeiro trimestre. Foi o terceiro setor com maior participação.

4) Compra da participação na CBMM por consórcio de japoneses e coreanos por 3,2 bilhões de reais

Um consórcio de japoneses e coreanos comprou participação na Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) por 3,2 bilhões de reais.

A CBMM é a maior produtora mundial de nióbio, um metal raro necessário para produção de aço de alta qualidade, mais resistente e leve, utilizado na indústria aeroespacial e na de motor.

A Companhia tem uma fração de mercado de 87%, aproximadamente. Sua principal jazida se encontra na cidade de Araxá, em Minas Gerais.

5) Venda de participação de 51% da holding de seguros do Santander na América Latina

A seguradora Zurich comprou, por 1,6 bilhão de reais, uma participação de 51% na holding de seguros do Santander na América Latina (parcela Brasil).

O Banco Santander e a seguradora Zurique acordaram formar "uma aliança estratégica" na América Latina para potencializar o negócio de seguros em cinco mercados-chave para o grupo espanhol: Brasil, Chile, México, Argentina e Uruguai. Para integrar as unidades de seguros da América Latina, o Santander criou a holding.

O setor de seguradoras respondeu por 6,7% do montante total movimentado por operações de fusões e aquisições no trimestre. Em número, o setor respondeu por 8,3%.

6) Aquisição de ativos da Bracor pela Prosperitas por 1,4 bilhão de reais

O fundo de investimentos Prosperitas comprou, por 1,4 bilhão de reais, parte do portfólio da Bracor, que é especializada em imóveis comerciais e industriais. Um dos principais acionistas da empresa é o megainvestidor americano Sam Zell.

Os empreendimentos – em maioria galpões e centros logísticos – têm como inquilinos companhias como AmBev, Petrobras e Ponto Frio. O valor desembolsado pela Prosperitas diz respeito apenas aos ativos adquiridos e não inclui dívidas.

O setor de construção civil/imobiliário foi responsável por 4,6% das operações do primeiro trimestre em valor, 12,5% em número.

7) Aquisição da BP Biofuels de participação na Cia Nacional de Açúcar e Álcool por 1,3 bilhão de reais

Em março, a petrolífera BP comprou uma participação de cerca de 80% na produtora brasileira de etanol Companhia Nacional de Açúcar e Álcool (CNAA) por 1,3 bilhão de reais.

O acordo deve aumentar a capacidade produtiva da BP no Brasil para cerca de 1,4 bilhão de litros de etanol equivalente por ano ante nível de 435 milhões de litros, informou a empresa na época do acordo.

8) Transações envolvendo a Contax: Incorporação da Dedic e participações na companhia e controladora por 677,6 milhões de reais

A Contax, empresa que atua na oferta de serviços de BPO para gestão e operação do relacionamento entre empresas e seus consumidores, integrou suas atividades com a Dedic GPTI neste trimestre.

A Dedic GPTI foi fundada em 2002 e pertence ao Grupo Portugal Telecom. A operação foi realizada através de uma incorporação de ações da Dedic GPTI pela Contax com o consequente aumento de capital na Contax e entrega das ações emitidas para os acionistas da Dedic GPTI.

Para realizar a integração entre as duas empresas, a Contax incorporou as ações de Dedic GPTI entregando ações da Contax à Portugal Telecom.

Adicionalmente à integração da Contax e da Dedic GPTI, a Portugal Telecom adquiriu participação na CTX Participações, holding que detém o controle da Contax. A entrada da Portugal Telecom é parte de uma reestruturação societária na CTX.

9) Compra da parcela dos minoritários do Santander Seguros pelo Santander Espanha

Ainda no processo de reestruturação de sua área de seguros, o Santander Espanha comprou, por 589,6 milhões de reais, a parcela dos minoritários do Santander Seguros.

A área de seguros foi incorporada por uma holding que integra as seguradoras de ramos elementares e de vida do Santander no Brasil, na Argentina, no Chile, no México e no Uruguai.

Ainda como parte da reestruturação, a seguradora Zurich comprou, por 1,6 bilhão de reais, uma participação de 51% nessa holding.

10) Aquisição de participações na IBI e na Fidelity pela CBSS por 488,4 milhões de reais

Com o lançamento da bandeira Elo, o Bradesco (que possui 50,01% da Elo Participações) vendeu  100% de sua participação na IBI e na Fidelity.

A CBSS, administradora dos cartões Visa Vale, foi incorporada à holding Elo Participações, criada em abril de 2010, e comprou a totalidade da participação que o Bradesco possuía na IBI e na Fidelity.

O valor final da operação foi de 488,4 milhões de reais. O setor financeiro foi responsável por 3,9% das 24 operações anunciadas no primeiro trimestre e por 20,8% do valor total de 32,7 bilhões de reais movimentados por fusões e aquisições no Brasil nesse período.
 
(Lia Lubambo l EXAME.com)

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *