Inflação do aluguel tem 1ª queda desde 2009

O que pareceu uma boa notícia para os locatários, na prática, não é. Apesar do recuo do IGP-M, o índice que reajusta a maioria dos aluguéis, os contratos no setor devem continuar subindo bem acima da inflação. Segundo especialistas, é reflexo da economia aquecida, do aumento da renda e da escassa oferta de imóveis para locação. Ontem, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que o IGP-M registrou queda de 0,18% em junho, na primeira deflação desde dezembro de 2009. No acumulado de 12 meses, a taxa é de 8,65%. Dados do Secovi-SP mostram que desde 2009 o valor médio do aluguel residencial sobe acima do IGP-M e do próprio IPCA, índice oficial de inflação.

– O valor de mercado do aluguel tem subido em média acima de 15%. A conjuntura é favorável ao locador porque dificilmente o locatário encontra melhores preços num aluguel novo – diz Cícero Yagi, consultor do Secovi-SP.

No Rio, a situação é mais complicada em bairros nobres da Zona Sul, como Ipanema e Leblon, com baixíssima oferta e enorme procura. Nessas regiões, o metro quadrado para locação subiu 41,62% e 38% desde junho passado, diz o Secovi. A Apsa viu o número de consultas à sua central chegar a 14 mil chamadas em maio. O gerente-geral de Imóveis da administradora, Jean Carvalho, avalia que a alta superior à inflação é um movimento de recomposição de preços, que ficaram defasados por muito tempo. A empresa acaba de renegociar três mil contratos no Rio e diz que chegou a acordo em 95%.

– Em média, encontramos defasagem de 50% e conseguimos recompor 30%. Orientamos o cliente a renegociar ou buscar novo imóvel em bairros menos valorizados – diz Carvalho.

Ao sentar à mesa, especialistas recomendam que o locatário antigo valorize o fato de ser adimplente e não representar o mesmo risco de novo contrato.

(O Globo)

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *