Locadora virtual dos EUA planeja lançamento no Brasil

A locadora on-line americana Netflix planeja entrar no mercado brasileiro ainda no primeiro semestre.

Segundo a Folha apurou, executivos das áreas de desenvolvimento de negócios internacionais passaram as últimas duas semanas no país acertando detalhes para a operação brasileira.

A intenção é oferecer assinatura mensal para transmissão de filmes, vídeos e séries pela internet a partir de junho. O aluguel de DVDs com envio pelo correio, como acontece nos Estados Unidos, não estaria incluído.

A contratação de uma equipe local está prevista para os próximos meses e a empresa deverá ter escritório na zona sul de São Paulo.

Ainda segundo pessoas ligadas à negociação, os executivos da Netflix — encabeçados pelo vice-presidente de desenvolvimento de negócios, Bill Holmes — conversaram com produtores de filmes e com fabricantes de TV, entre eles Samsung e LG.

A intenção é incluir um "atalho" para o sistema da Netflix nas TVs com capacidade de conexão à internet. Chamado de "widget", o ícone aparece na tela inicial e é a porta de entrada para o conteúdo da locadora.

Por meio de seu diretor de comunicação, Steve Swasey, a Netflix confirmou à Folha apenas a expansão internacional prevista para 2011, mas não informou os países.

A Samsung declarou que existem conversas em virtude da parceria que as duas empresas já mantêm nos EUA, mas enfatizou que não há nada formalizado.

"As TVs com navegador completo devem chegar ao mercado brasileiro no final de março e podem servir como canal de venda do filme quando houver a operação [da Netflix] oficial", diz Márcio Portella, da Samsung.

Criada em 1997, a Netflix é um dos fenômenos do vídeo on-line, tendo desbancado gigantes como a Blockbuster, que atualmente agoniza em concordata.

Em 2002, a companhia abriu o capital e, ao longo dos anos, construiu um império de US$ 10,7 bilhões.

Hoje com 20 milhões de assinantes, cobra US$ 7,99 pela assinatura mensal de vídeos on-line nos EUA e no Canadá e busca diversificar o modelo para concorrer com Amazon e Google. A empresa tem mais de 100 mil títulos, de comédias e séries de TV a documentários e musicais.

CONCORRÊNCIA LOCAL

No país, a Netflix terá como concorrente a Netmovies, empresa brasileira comprada pelo fundo de investimento Tiger Global em dezembro.

A companhia, que atua em modelo semelhante ao da americana, oferece assinatura de 23 mil DVDs e discos Blu-ray entregues pelo correio e 3.500 filmes em transmissão on-line streaming. A empresa atua no Sul, no Sudeste e chegou ao Nordeste.

"Estamos preparados para concorrência. Temos uma marca forte já consolidada e proposta de assinatura bastante completa", diz Daniel Topel, criador da Netmovies.

Há rumores de que a venda da Netmovies para o Tiger tenha sido só um passo para a aquisição posterior pela Netflix. O controle anterior pertencia à Ideiasnet, empresa aberta de capital de risco. Questionada pela reportagem, a Netmovies não comentou a possibilidade de ser comprada pela Netflix.

(Camila Fusco l Folha)

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *