Nova fábrica da Comil será instalada na região Sudeste

Diante da perspectiva de esgotamento da capacidade instalada em Erechim, a quase 400 quilômetros de Porto Alegre, até o fim deste ano, a fabricante de carrocerias de ônibus Comil estuda a construção de uma unidade industrial no Sudeste do país. A empresa está avaliando oportunidades para se instalar em São Paulo, no Rio de Janeiro ou em Minas Gerais, que juntos representam 75% da demanda brasileira de ônibus urbanos, disse ontem o diretor superintendente Sílvio Calegaro.

"Precisamos de uma definição no curtíssimo prazo", afirmou o executivo. De acordo com ele, o plano também é reduzir gastos com o transporte dos chassis produzidos pela Mercedes Benz em São Paulo e pela MAN (com marca Volkswagen) no Rio de Janeiro até o Rio Grande do Sul e depois com o envio dos veículos prontos para a região Sudeste. Em cada um desses trechos os produtos precisam viajar pelo menos mil quilômetros.

Se o investimento for confirmado, a Comil seguirá os passos da líder do setor no país, a Marcopolo, que em 2001 adquiriu o controle da Ciferal, de Duque de Caxias (RJ), e dois anos depois especializou a unidade na produção de modelos urbanos. A empresa de Erechim é quarta maior indústria de carrocerias do país no ranking de 2010 da Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (Fabus), atrás da Marcopolo/Ciferal, da Induscar e da Neobus.

No mercado externo, que representou 23,5% da receita líquida consolidada de R$ 339 milhões em 2010, a Comil quer reproduzir em outros países, sobretudo da América do Sul, o modelo da parceria firmada em 2009 com a MAN no México. Pelo acordo, a empresa brasileira envia carrocerias parcialmente desmontadas que são acopladas aos chassis na fábrica da parceira na cidade de Querétaro.

"Estamos conversando com a MAN", disse Calegaro, ressalvando que ainda não há definição sobre novas operações em conjunto com o grupo alemão. No ano passado, a Comil despachou 150 carrocerias para o México, 50% acima da previsão inicial, e para este ano a estimativa é mandar outras 180 unidades.

A receita líquida da Comil em 2010 foi 16,8% superior à de 2009 e a previsão é chegar a R$ 438,4 milhões em 2011, quando a empresa também projeta uma expansão de 10% no mercado brasileiro do setor em relação às 32,6 mil unidades produzidas ano passado. A Marcopolo, que detém ainda 45% de participação na Neobus, encerrou 2010 com receita líquida de R$ 3 bilhões (alta de 46,5%) e prevê chegar a R$ 3,15 bilhões em 2011.

A produção da Comil cresceu 22,4% no ano passado, para o recorde de 3,2 mil unidades (1,4 mil urbanos, 1,3 mil rodoviários e o restante micro-ônibus) e a previsão para 2011 é fabricar 4 mil carrocerias. O volume médio avançou de 12 para 16 unidades por dia de janeiro até dezembro, está agora em 17 e deve alcançar o teto da capacidade instalada de 20 veículos diários até o fim deste ano.

Neste ano, parte da expansão prevista pela empresa deve-se à entrada em vigor das novas normas de controle de emissões (Euro 5) no Brasil em 2012. As alterações vão aumentar os custos dos chassis e por isso Calegaro acredita que os empresários de transporte de passageiros tendem a antecipar compras para 2011.

Com o aumento da produção e a diluição de custos fixos em 2010, especialmente a partir do segundo semestre, a margem bruta obtida pela empresa oscilou 0,3 ponto percentual para cima no ano, para 18,1%, enquanto o Ebitda avançou 1,2%, para R$ 25,2 milhões. Já o lucro líquido consolidado passou de R$ 11,1 milhões para R$ 13,4 milhões, com alta de 21,4%.

O resultado foi favorecido pela reversão das despesas financeiras líquidas de R$ 4,8 milhões em 2009 para um resultado financeiro positivo de R$ 2,4 milhões. Apesar do aumento de R$ 70,8 milhões para R$ 78,9 milhões no endividamento bancário líquido, a Comil ampliou de 70,5% para 77,6% a parcela de longo prazo da dívida bruta de R$ 192 milhões no fim de 2010 e foi favorecida pela contratação, a juros mais baixos, de R$ 126 milhões em linhas de financiamento à exportação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

(Sérgio Bueno | Valor)

+ posts

Compartilhar este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *