Novo Nordisk traz o Victoza e prevê elevar venda no país

Chega ao Brasil a nova grande aposta da farmacêutica multinacional Novo Nordisk. O medicamento para controle do diabetes do tipo 2 Victoza é considerado pela empresa seu novo ”blockbuster”: até o fim do ano, as projeções da dinamarquesa apontam vendas de US$ 1 bilhão no mundo. E a companhia conta com seus negócios no Brasil, um dos mercados emergentes com a economia em alta, para esse impulso.

"Nossas expectativas são muito promissoras com esse produto", afirmou ao Valor o gerente-geral da Novo Nordisk no Brasil, Gustavo Mizraje. Argentino, de 43 anos, o executivo ocupa o mais alto cargo da subsidiária no país. Ele estima que, impulsionados pelo Victoza, os resultados brasileiros deverão crescer 30% neste ano.

Parte dessas projeções otimistas já foram confirmadas. Depois de mais de dez anos de desenvolvimento, no segundo semestre de 2009 o medicamento foi lançado na Europa e, a partir de então, os lançamentos passaram para os EUA, Argentina e México. Hoje, já é comercializado em 35 países. No ano passado, as vendas do Victoza somaram US$ 400 milhões.

O potencial do mercado para produtos contra o diabetes é grande, informa a empresa, que chegou no Brasil em 1990 e em 2002 comprou a Biobrás, até então único produtor nacional de insulina. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de pessoas com diabetes que, em 2000, somava 150 milhões, chegou a 285 milhões em 2010 e deve avançar para 435 milhões em 2030. No Brasil, hoje há 7,6 milhões de pessoas com diabetes. Do total de diabéticos, 90% são do tipo 2.

Produzido na Dinamarca, o novo medicamento começou a ser comercializado neste mês no Brasil. Segundo Mizraje, não há, por enquanto, a intenção de fabricá-lo no país, que abriga em Montes Claros (MG) o segundo maior parque industrial da multinacional, depois da matriz. A produção na unidade dinamarquesa seria suficiente para atender a demanda projetada pelo produto globalmente.

Além do setor privado, a empresa quer também atingir o governo brasileiro, que distribui medicamentos contra o diabetes gratuitamente à população. A Novo Nordisk é o único fornecedor de insulina humana para o Ministério da Saúde após ganhar licitações em 2009 e 2010. As vendas ao governo respondem por 80% da sua receita no país. A empresa não informa o valor, mas hoje o mercado brasileiro representa para a multinacional 32% das vendas na América Latina. Enquanto a região cresceu 28% em 2010, a subsidiária no país cresceu 55%.

No mercado privado, medido pela IMS Health, a empresa informa que tem 45,8% de participação das vendas em insulinas modernas, que é seu segmento de ponta.

Do faturamento global – que somou US$ 11,5 bilhões no ano passado -, as vendas de produtos para tratamentos do diabetes representaram mais de 70%. "Mas essa proporção deve aumentar com a entrada do Victoza", informou Mizraje. Além desses produtos, a companhia tem tratamentos para hemofilia e hormônios do crescimento. No entanto, a grande parte dos investimentos são direcionados para a produção de insulinas.

As principais concorrentes no mercado de diabetes, a Eli Lilly e a Sanofi-Aventis, atuação com material importado e também estão se voltando para novas aplicações e formatos de tratamento. A grande expectativa é o desenvolvimento da insulina na forma de comprimido. "Já temos um projeto para isso, que está na fase I de desenvolvimento ", informou.

(Vanessa Dezem e Ivo Ribeiro | valor)

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *