Produção de petróleo e gás foi recorde em novembro

RIO – A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgou nesta segunda-feira que, em novembro, registrou recorde na produção brasileira de petróleo e gás natural. A produção de petróleo foi de aproximadamente 2,089 milhões de bbl/d por dia e a de gás natural, de 66,2 milhões de metros cúbicos por dia. O aumento na produção de petróleo ficou em torno de 5,2% em comparação a novembro de 2009 e em 4,6% em relação a outubro de 2010. No gás, a elevação foi de aproximadamente 12% na comparação com novembro de 2009 e de 2% em relação a outubro de 2010.

Aproximadamente 91,2% da produção de petróleo e gás natural foram extraídos de campos explorados pela Petrobras. Foram produzidos em campos marítimos 91,3% do petróleo e 75,3% do gás natural brasileiros. Os três maiores campos terrestres produtores de petróleo e gás natural, em barris de óleo equivalente, foram Leste do Urucu, Rio do Urucu e Carmópolis.

A produção do pré-sal em novembro foi de 63.679 bbl/d de petróleo e de 2.301 mil m³ por dia de gás natural (no campo de Jubarte e nos testes de longa de duração na área de Tupi). Em outubro, a produção no pré-sal foi de 43.978 bbl/d de petróleo e 1.607 mil m³ por dia de gás natural.

A plataforma P-52, localizada no Campo de Roncador, produziu aproximadamente 156.673 boe/d e continua sendo a unidade com maior produção pelo terceiro mês consecutivo. O campo de Roncador foi o maior produtor de petróleo e o de Manati, o maior produtor de gás natural.

A queima de gás natural teve redução de 15,1% em novembro de 2010 em comparação ao mesmo mês do ano passado. Em relação a outubro de 2010, houve aumento de 22,8% na queima de gás. Do volume total de gás queimado, 80,45% são oriundos de campos na fase de produção e 19,55% de testes de longa duração em campos na fase de exploração (que ainda não iniciaram a produção).

Dos 20 maiores campos produtores de petróleo e gás natural (em barris de óleo equivalente), três são operados por empresas estrangeiras: o campo de Ostra (Shell), Frade (Chevron) e Polvo (Devon).

Ao todo, 296 concessões, operadas por 22 empresas distintas, foram responsáveis pela produção nacional. Destas, 72 são concessões marítimas e 224 são terrestres. Vale ressaltar que das 296 concessões, 12 se encontram na Fase de Exploração e produziram através de Testes de Longa Duração (TLD), e outras oito são de campos licitados contendo Acumulações Marginais.

(O Globo)

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *