Rhodia quer entrar no mercado de airbag

A Rhodia resolveu antecipar seu trabalho em relação ao cumprimento da decisão da Justiça brasileira que obriga todos os veículos produzidos no país a partir de 2014 a ter airbags.

A companhia desenvolveu um fio técnico próprio para a produção do tecido que será utilizado no componente de segurança.

"Estamos nos antecipando para entrar neste mercado, já temos alguns exemplares em testes nas grandes do mundo", afirma Marco De Marchi, presidente da Rhodia América Latina.

Além do desenvolvimento de um novo fio tecnológico que permite a entrada da empresa em um novo segmento de atuação, a Rhodia colocou também recentemente no mercado um novo fio para o mercado de confecções.

Criado com investimentos de cerca de US$ 5 milhões, o Emana – nome dado ao fio de poliamida tecnológico da Rhodia – já tem autorização da Anvisa para ser comercializado e diz contar com propriedades terapêuticas.

Com a inserção de partículas minerais no polímero, o fio com cristais bioativos promete estimular a microcirculação e reduzir a retenção de líquidos no corpo.

"Desenvolvemos esse produto para atuar tanto no segmento esportivo, onde ele consegue dar uma circulação melhor ao corpo e evitar a fadiga muscular, como para atender o lado estético", diz.

O novo fio consegue impedir o inchaço das células gordurosas da pele, reduzindo a contração do tecido conjuntivo, o que diminui o efeito da celulite.

O desenvolvimento do Emana levou seis anos desde a ideia até a comercialização. No ano passado o produto teve aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), já que mexe diretamente com a saúde do consumidor.

"Não quisemos comercializar antes de reivindicar a propriedade terapêutica do produto", afirma o presidente. Ainda de acordo com De Marchi, quando o Emana tiver maturidade suficiente representará 10% da produção dos fios têxteis para confecção da Rhodia.

Outros fios estão sendo desenvolvidos, mas a atuação específica ele não revela, apenas aponta o apelo comercial. "Estamos atrás de bem estar e saúde. Nós achamos que o têxtil do futuro é ligado a esse aspecto e são pesquisas nesse sentido que estamos desenvolvendo."

A empresa hoje está se estruturando para crescer cada vez mais no segmento de Poliamidas especiais, que nem sempre foi o produto mais importante da empresa, mas que hoje representa a maior parte do faturamento.

A Rhodia Brasil produz hoje cerca de 24 toneladas de fios por mês. As poliamidas especiais representam atualmente 60% do faturamento total do segmento têxtil.

Para aumentar ainda mais esse número, o investimento mais relevante para este ano, segundo o presidente, foi exatamente a aquisição de uma nova máquina para a produção de fios têxteis inteligentes.

Em agosto deste ano, a empresa coloca em operação a máquina que segundo De Marchi é "a mais tecnológica do mundo no setor têxtil", com partes vindas da Alemanha e do Japão. "São quatro andares de máquina que vai nos possibilitar aumentar em 10% a nossa produção total. Serão 25% a mais só na produção de fibras inteligentes."

(Amanda Vidigal Amorim l Brasil Econômico)

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *