Walmart quer 100% do Carrefour Brasil

A rede Walmart tem um antigo interesse em adquirir a operação do Carrefour no Brasil, mas há questões que impedem um avanço maior nas negociações entre as redes. De acordo com fontes ligadas às empresas, a cadeia americana não abre mão da compra do controle total do negócio do Carrefour no país. Também não aceita que os franceses permaneçam como acionistas minoritários da subsidiária brasileira.

O Carrefour, por sua vez, quer esgotar todas as suas possibilidades em torno de uma fusão, nos moldes do que havia proposto Abilio Diniz, do Pão de Açúcar, que teve sua proposta rechaçada pelo sócio francês Casino. O Carrefour também avalia vende uma parte de seus ativos no país, antes de aprofundar as conversas com o Walmart.

Os franceses resistem à ideia de sair do Brasil neste momento, e não querem, a princípio, se desfazer do Atacadão, o melhor negócio que o Carrefour já fez no país até hoje. Representantes do Walmart têm afirmado a pessoas próximas que a rede só aceita tratar do assunto se o acordo envolver o Atacadão. "No mínimo, eles [o Walmart] esperam ficar com algumas lojas que o Carrefour tem fechado em algumas capitais, nessa reestruturação que estão fazendo na empresa", afirma uma fonte próxima da cadeia americana.

A cadeia americana deixou o Carrefour a par do seu interesse nos negócios no país em outubro do ano passado, quando vazaram as informações de que o Carrefour no Brasil havia registrado um rombo contábil bilionário.

A rede francesa busca uma saída para a sua operação local por conta da pressão de um grupo de acionistas que busca rentabilizar o investimento feito na rede em 2007. A perda contábil de €550 milhões na filial brasileira, descoberta em 2010, acabou sendo um fator a mais nesse processo.

O comando do Carrefour no Brasil está reorganizando a operação local, e isso tem levado a rede a fechar lojas, mudar as bandeiras dos pontos e a demitir pessoal. Esse movimento faz parte de um conjunto de medidas tomadas para melhorar o desempenho da rede, que registra níveis de rentabilidade operacional abaixo do registrado pelo líder Pão de Açúcar.

Entre julho e agosto, o Carrefour demitiu 410 funcionários em São Paulo, segundo Robson Eduardo Andrade Rios, gerente jurídico do Sindicato dos Comerciários de São Paulo. Grande parte foi de empregados de lojas. Entre maio e a primeira semana de agosto, foram 808 pessoas. Neste mês, mais 48.

Lojas foram fechadas e outras estão mudando de bandeira. Parte dessas lojas pode ser negociada num pacote de pontos a ser vendido para o Walmart.

A assessoria de imprensa do Carrefour informa que há um movimento de desligamento de pessoal na rede, mas explica que há lojas de hipermercados sendo fechadas para receberem a bandeira Atacadão – os empregados desses pontos serão reaproveitados.

O Valor apurou que o escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados foi contratado pela varejista americana para assessorá-la nas negociações com a subsidiária brasileira da rede francesa. O escritório não se manifestou sobre o assunto. As cadeias Walmart e Carrefour informam que não comentam rumores de mercado.

(Adriana Mattos l Valor)

+ posts

Compartilhar este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *