Avaliação de Startups

Em 2015, quando já trabalhava na Apsis Consultoria, na área de business valuation, fiz um intercâmbio de férias em Tel Aviv. A cidade é um dos maiores polos globais de startups e empreendedorismo, onde nasceram empresas famosas, como Waze e Wix. Nessa incursão, em algumas visitas realizadas a fundos de venture capital (fundos de investimento especializados em startups) e aceleradoras, perguntava com recorrência como era realizada, no processo decisório de investimento em uma startup, a análise da valuation para definição da participação a ser adquirida pelo investidor. Na maioria das vezes, entretanto, obtive respostas que focavam exclusivamente o time responsável pela empreitada e a estimativa de potencial de mercado. Dessa forma, buscamos elucidar neste artigo as metodologias de avaliação mais comumente aplicadas nos diferentes estágios de evolução de uma startup.
  1. Estágio Semente
Este é o período inicial da vida de uma startup, no qual a ideia a ser desenvolvida, bem como o produto ou serviço, está ainda em período de conceituação e teste. Nesse período, é comum que o faturamento da companhia seja baixo ou inexistente, fazendo com que seu resultado financeiro seja negativo. No estágio semente, as companhias tendem a ser financiadas por investidores-anjos ou pelo chamado capital semente (seed money). Metodologia de avaliação: Scorecard Method – A metodologia indicada para a avaliação de startups nesse estágio de maturidade é o “Scorecard Method”, que compara a startup a outras startups do setor ajustando o seu valor por fatores como região, mercado e estágio de maturidade. O primeiro passo é determinar o valor médio de pre-revenue de startups na região e no setor do mercado. Isso mesmo pode ser feito utilizando-se bases de dados como Pitchbook ou Angel List. Posteriormente, faz-se necessário ranquear startups na mesma região por fatores como os apresentados no seguinte exemplo ilustrativo:Em 2015, quando já trabalhava na Apsis Consultoria, na área de business valuation, fiz um intercâmbio de férias em Tel Aviv. A cidade é um dos maiores polos globais de startups e empreendedorismo, onde nasceram empresas famosas, como Waze e Wix. Nessa incursão, em algumas visitas realizadas a fundos de venture capital (fundos de investimento especializados em startups) e aceleradoras, perguntava com recorrência como era realizada, no processo decisório de investimento em uma startup, a análise da valuation para definição da participação a ser adquirida pelo investidor. Na maioria das vezes, entretanto, obtive respostas que focavam exclusivamente o time responsável pela empreitada e a estimativa de potencial de mercado. Dessa forma, buscamos elucidar neste artigo as metodologias de avaliação mais comumente aplicadas nos diferentes estágios de evolução de uma startup.
  1. Estágio Semente
Este é o período inicial da vida de uma startup, no qual a ideia a ser desenvolvida, bem como o produto ou serviço, está ainda em período de conceituação e teste. Nesse período, é comum que o faturamento da companhia seja baixo ou inexistente, fazendo com que seu resultado financeiro seja negativo. No estágio semente, as companhias tendem a ser financiadas por investidores-anjos ou pelo chamado capital semente (seed money). Metodologia de avaliação: Scorecard Method – A metodologia indicada para a avaliação de startups nesse estágio de maturidade é o “Scorecard Method”, que compara a startup a outras startups do setor ajustando o seu valor por fatores como região, mercado e estágio de maturidade. O primeiro passo é determinar o valor médio de pre-revenue de startups na região e no setor do mercado. Isso mesmo pode ser feito utilizando-se bases de dados como Pitchbook ou Angel List. Posteriormente, faz-se necessário ranquear startups na mesma região por fatores como os apresentados no seguinte exemplo ilustrativo:Em 2015, quando já trabalhava na Apsis Consultoria, na área de business valuation, fiz um intercâmbio de férias em Tel Aviv. A cidade é um dos maiores polos globais de startups e empreendedorismo, onde nasceram empresas famosas, como Waze e Wix. Nessa incursão, em algumas visitas realizadas a fundos de venture capital (fundos de investimento especializados em startups) e aceleradoras, perguntava com recorrência como era realizada, no processo decisório de investimento em uma startup, a análise da valuation para definição da participação a ser adquirida pelo investidor. Na maioria das vezes, entretanto, obtive respostas que focavam exclusivamente o time responsável pela empreitada e a estimativa de potencial de mercado. Dessa forma, buscamos elucidar neste artigo as metodologias de avaliação mais comumente aplicadas nos diferentes estágios de evolução de uma startup.
  1. Estágio Semente
Este é o período inicial da vida de uma startup, no qual a ideia a ser desenvolvida, bem como o produto ou serviço, está ainda em período de conceituação e teste. Nesse período, é comum que o faturamento da companhia seja baixo ou inexistente, fazendo com que seu resultado financeiro seja negativo. No estágio semente, as companhias tendem a ser financiadas por investidores-anjos ou pelo chamado capital semente (seed money). Metodologia de avaliação: Scorecard Method – A metodologia indicada para a avaliação de startups nesse estágio de maturidade é o “Scorecard Method”, que compara a startup a outras startups do setor ajustando o seu valor por fatores como região, mercado e estágio de maturidade. O primeiro passo é determinar o valor médio de pre-revenue de startups na região e no setor do mercado. Isso mesmo pode ser feito utilizando-se bases de dados como Pitchbook ou Angel List. Posteriormente, faz-se necessário ranquear startups na mesma região por fatores como os apresentados no seguinte exemplo ilustrativo:
+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.