Accor Services vira Edenred e prevê expansão

O grupo Accor anunciou ontem mundialmente o novo nome da sua divisão de serviços, que será desmembrada da área de hotéis em 2 de julho, conforme plano aprovado pelo conselho da companhia francesa em dezembro. Em substituição à Accor Services, a operação passa a se chamar Edenred (paraíso vermelho, em inglês) e será uma empresa listada na bolsa de valores de Paris. O carro-chefe do negócio continua sendo a marca Ticket, de benefícios corporativos como os tíquetes-refeição.

Oswaldo Melantonio Filho, diretor-geral da Accor Services no Brasil, está animado com a criação da nova companhia. "Não seremos mais uma divisão que concorria com o investimento em hotelaria, principal negócio do grupo. E ganhamos velocidade na tomada de decisões", afirma.

 
Lucrativa operacionalmente e com maior ritmo de crescimento, a divisão de serviços acabava destinando parte do seu caixa para desenvolver a área de hotéis. Com o desmembramento, o grupo espera que as duas empresas sejam mais valorizadas aos olhos do investidor. E o Brasil está no centro das atenções. A operação de serviços brasileira é a maior da Accor no mundo, seguida pela italiana e pela matriz na França. "Faz cinco anos que estamos na liderança e em 2010 devemos conquistar o ”hexa” aqui e também na África do Sul", brinca Melantonio, referindo-se à participação do Brasil na Copa, que começa na sexta-feira.

A expectativa do executivo é que o faturamento cresça mais de 10% este ano, considerando a expansão econômica e o aumento do emprego formal no país (a base do negócio de benefícios são as contratações com carteira assinada) e também aquisições. "Estamos sempre atentos às oportunidades. Há empresas menores que podem reforçar nossa posição regional", diz.

Segundo ele, o mercado de cartões e vales-benefícios conta com 80 empresas no Brasil. E embora as maiores concorrentes sejam as francesa Sodexo e a brasileira Visa Vale, em alguns segmentos a disputa é acirrada com companhias de menor porte. "No segmento do Ticket Car [de gestão de combustível e despesas com frota], a líder é a Good Car [Embratec Good Car], do Rio Grande do Sul; e no Ticket Transporte (vale-transporte), é a VB", conta.

Em 2009, a operação de cartões e tíquetes da Accor movimentou R$ 8,7 bilhões, 14% mais que em 2008. A Accor Services no Brasil não divulga resultados mas, segundo o jornal "Financial Times", a filial contribuiu com mais de € 40 milhões para o lucro operacional global. Ontem, o CEO mundial da Edenred, Jacques Stern, disse ao jornal britânico que a meta até 2016 é expandir a operação para além dos atuais 40 países, diminuindo assim a dependência das maiores filiais, como o Brasil, nos resultados. Stern projeta expansão global entre 6% e 14% ao ano.

(Luciana Marinelli | Valor)
 

 

 

 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.