ArvinMeritor planeja investir US$ 30 milhões

A fabricante americana de autopeças ArvinMeritor anuncia hoje um pacote de investimentos de US$ 30 milhões no Brasil, com o objetivo de ampliar a capacidade produtiva, incluindo uma nova fábrica de cardans (sistemas de transmissão) em Osasco (SP) e a participação no parque de fornecedores junto à unidade da MAN em Resende (RJ), e lançar novos produtos no mercado brasileiro.

A expansão leva em conta os prognósticos positivos para o segmento de caminhões no país – conforme o Sindipeças, a produção nacional deve crescer 32% em 2010 – e faz parte da estratégia global da companhia de concentrar os negócios no segmento de veículos comerciais. "Tivemos de acelerar os planos, principalmente os de aumento de capacidade", afirma o diretor de vendas e marketing da empresa para a América do Sul, Sílvio Barros.

Segundo o executivo, os recursos serão desembolsados entre 2010 e e o fim de 2011, quando entra em operação o parque de fornecedores em Resende. Na cidade fluminense, a montadora alemã MAN vai investir R$ 250 milhões para produzir caminhões com marca própria – hoje, as unidades saem da fábrica com o selo da Volkswagen.

"Acompanhar grandes clientes, como a MAN, faz parte da estratégia mundial da empresa", afirma Barros. No projeto, que é tocado em parceria com a Maxion e a Suspensys (da qual é dona de 50%, em sociedade com o grupo Randon), a ArvinMeritor planeja investir cerca de US$ 10,5 milhões. O consórcio estima que o faturamento anual poderá chegar a R$ 1 bilhão.

Outros US$ 15 milhões do pacote serão aplicados em uma nova linha de cardans, que entra em operação no quarto trimestre no complexo industrial de Osasco, e lançamento de produtos no mercado nacional. Na unidade paulista, a ArvinMeritor ampliou recentemente a produção de eixos e abriu 260 postos de trabalho, de volta ao número de funcionários que tinha antes da crise. "Estamos entregando o dobro de eixos em relação a maio do ano passado", diz o diretor. A área de pesquisa e desenvolvimento receberá aportes de US$ 5 milhões.

O otimismo com a operação brasileira, contudo, é acompanhado de uma preocupação de curtíssimo prazo: a capacidade de entrega por parte dos fornecedores, que não estão conseguindo acompanhar o crescimento da demanda. Segundo Barros, a companhia está importando determinadas peças para dar conta dos pedidos que têm em carteira. Nesse caso, garante, não é o câmbio favorável aos importados o principal fator para a iniciativa. "Hoje nosso índice está em torno de 70%. É difícil dizer para quanto vai, mas vamos ficar acima dos 60% (previstos em lei)", afirma o executivo. "Mas acreditamos que esse problema é pontual e será solucionado."

(Stella Fontes | Valor)
 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.