Avianca prevê investimentos de US$ 1,5 bilhão em quatro anos no Brasil

No começo de maio, a companhia aérea Ocean Air adotou o nome de outra empresa do mesmo grupo, a Avianca, maior companhia aérea da Colômbia. A mudança não foi nada repentina, segundo José Efromovich, presidente da Avianca Brasil e irmão de German Efromovich. Ainda no primeiro semestre de 2008, a empresa iniciou sua reestruturação antes de adotar o nome da segunda empresa aérea mais antiga do mundo.

No primeiro semestre de 2010, o faturamento da empresa deve ser 20% superior ao de igual período de 2009 – mesma taxa de crescimento médio dos últimos dois anos, segundo o executivo. Em 2010, ela quer encerrar o ano com 4% de market share – que atualmente é de cerca de 2,7%. Para isso ela não aposta em guerra de preços, mas em conforto. Veja os principais trechos da entrevista de José Efromovich ao site da EXAME.

EXAME – Qual será o foco de investimentos da Avianca em 2010?
José Efromovich – Continuamos nosso projeto de implementar quatro aeronaves diferentes das que estávamos operando. Isso demanda gente, treinamento, mão-de-obra, implementação das bases. Até o final de julho, esses aviões novos vão fazer ponte-aérea e alguns aeroportos como Porto Alegre, Guarulhos, Brasília e Salvador. O grupo adquiriu 72 Airbus novos e 12 Boeings 787 novos. E esses aviões estão disponíveis para o grupo. Somos a única empresa nesse país com a flexibilidade de desviar aviões que seriam alocados na frota de El salvador ou Costa Rica, por exemplo. Cerca de 1,5 bilhão de dólares será investido no Brasil nos próximos quatro anos.

EXAME – A Avianca Brasil pretende ter rotas para o exterior?
Efromovich – Temos planos para o segundo semestre, de solicitar a autorização para atender o mercado do exterior. A Avianca internacional atende quase 30 países. Se formos atendidos pela Anac, esperamos ter rotas para o exterior em outubro, novembro. Não temos autorização final concedida, então não vamos especular. Lima é um destino, interessante. Equador, Colômbia… Lugares na América do Sul.

EXAME – Mesmo com apenas um mês de nova marca, já perceberam alguma mudança?
Efromovich – Transportamos 210.000 passageiros em maio de 2010, comparado com 160.000 passageiros no mesmo mês de 2009. Isso já é Avianca. Já vínhamos, com as nossas aeronaves, atendendo o mercado brasileiro com um produto diferenciado. Temos mais espaço, lanche quente nos voos. No ano passado, tivemos um dos maiores índices de pontualidade. Nos últimos meses, introduzimos uma aeronave com espaço, o melhor serviço, pontualidade e um sistema de entretenimento que o mercado brasileiro nunca viu: um monitor individual de televisão. Vamos terminar o ano com 18 aeronaves. Estamos alocando quase 40% a mais de assentos. Cerca de 37% a mais que o fim de 2009.

EXAME – Porque a Avianca optou pela reestruturação, em 2009?
Jose Efromovich – Reestruturamos porque algo não andava bem. O que desencadeou a reestruturação foi que vínhamos crescendo muito acentuadamente desde que adquirimos o controle acionário da Avianca [o grupo brasileiro comprou o controle da Avianca em 2004]. A Avianca continuou a crescer com a Ocean Air dentro. Mas, pela dificuldade de encontrar aeronaves no mercado, incorporamos o possível. Num momento, tínhamos 34 aeronaves, sendo seis modelos diferentes na frota (Boeings e Fokkers de diferentes modelos e Embraer Brasília). Não era o mais adequado para o nosso projeto naquele momento. Vendemos as aeronaves próprias, devolvemos as que não eram próprias e ficamos com 14 Fokkers padronizados. E começamos a reestruturação.

EXAME – Como avalia esse período de mudança de nome da empresa?
Efromovich – A mudança de nome não foi um processo cosmético. Existe um porquê. Em 2008, em abril, nós decidimos por um processo grande de reestruturação da empresa. No início de 2009, visávamos a busca de um produto diferenciado para o mercado, então focamos todas as nossa forças para o passageiro e, nesses dois anos, nós conseguimos isso. Em 2009, fomos considerados a melhor empresa do setor, segundo a pesquisa "Espaço do Passageiro", disponibilizada no site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A antiga Ocean Air firmou um produto diferenciado no mercado. Sem crescer em oferta de assentos, só consolidando a reestruturação proposta. A partir de abril de 2010, começaram a chegar novos aviões e, com isso, o crescimento efetivo a partir da consolidação do projeto idealizado dois anos atrás. Com o projeto consolidado e aviões novos chegando, por que não incorporar um nome que tem uma história de 90 anos? A Avianca é a segunda empresa mais antiga em operação no mundo. Esses três elementos fizeram a gente mudar de nome.

EXAME – Os senhores pretendem competir com as duas líderes do mercado nos próximos anos?
Efromovich – Hoje competimos direto com TAM, Gol na ponte-aérea. Temos número de voos menor, mas é concorrente direto. Óbvio que imaginar, num curto espaço de tempo, sermos maiores que uma dessas duas seria meio utópico. Nosso nicho é um produto diferenciado e um crescimento voltado para o produto diferenciado. Isso faz a gente crescer de forma gradual e vagarosa. Não falo que vamos tomar 10% de mercado das grandes, mas o mercado está crescendo.

EXAME – Haverá uma guerra de preços em 2010?
Efromovich – As promoções acontecem. É uma indústria que vive de promoções, e elas são cíclicas. No ano passado, houve uma oferta de assentos muito grande, todas as empresas trouxeram aeronaves novas, menos a Avianca. Mas o mercado cresceu numa velocidade maior, principalmente nos últimos 12 meses. Houve uma certa acomodação que deixou o mercado mais estável. O crescimento doméstico esse ano será grande. Espera-se de 15% a 20%. Alguns dizem que passa de 25%. Não há motivo óbvio para uma nova guerra de preços, como em muitos segmentos econômicos. No passado, alguns voos eram feitos a preços que não pagavam o combustível. Esse ano, se isso acontecer será de forma mais leve e, com certeza, a Avianca não vai se encaixar nesse processo.

(Beatriz Olivon | Portal Exame)

 

 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.