Baldin negocia compra da usina Alfa

A Baldin Bioenergia, de Pirassununga (SP), está em negociações avançadas para comprar a usina Alfa Bioenergia, localizada no mesmo município. Administrada por Luiz Fernando Baldin, a empresa tem capacidade para moer cerca de 1,5 milhão de toneladas de cana. Se a aquisição da Alfa, avaliada no mercado em US$ 80 milhões, for concretizada, a moagem crescerá em 800 mil toneladas. Segundo fontes do ramo, a negociação começou em outubro do ano passado e deverá estar concluída em até um mês.

Se a operação for de fato finalizada, a usina Baldin ficará um pouco maior e mais atrativa para parcerias estratégicas. Segundo especialistas ouvidos pelo Valor, o fundo de private equity FIP Terra Viva, da DGF Investimentos, chegou a avaliar a Baldin há alguns meses para comprar uma participação. Mas os controladores da usina já estavam envolvidos na negociação com a Alfa, o que, conforme as fontes, fez com que o Terra Viva se afastasse temporariamente – o que não significa necessariamente uma desistência. "Não está afastada a possibilidade de retomada das negociações. É bem provável que o fundo retorne contato após o fim da operação entre as duas para negociar a usina, que possivelmente já estará um pouco mais robusta " , afirmou uma fonte. O Valor apurou, também, que a espanhola Abengoa Bioenergia, que tem uma unidades em Pirassununga, também já demonstrou interesse na Alfa Bioenergia.

A região de Pirassununga tem elevada densidade de usinas, mas matéria-prima insuficiente para permitir que as unidades pequenas se expandam sozinhas.

A família Baldin iniciou as operações com cana-de-açúcar em meados da década de 50, com produção de aguardente. Posteriormente, partiu para açúcar e álcool. A Baldin Bioenergia é uma S.A. de capital fechado, e foi assim denominada em maio de 2008 – antes chamava-se Irmãos Baldin e Cia. Ltda. – a partir da adoção de uma gestão profissionalizada.

Em 2008, a empresa fez uma parceria com a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) para ampliar a produção de energia a partir do bagaço de cana, e fechou outra parceria com a Dulcini em uma fábrica de açúcar líquido, muito usado pela indústria de refrigerantes e alimentação. Procuradas, Alfa e Baldin Bioenergia não se pronunciaram.

(Fabiana Batista | Valor)
 

 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.