Carlyle mira empresas de varejo, consumo e infra-estrutura

Desde que o fundo de private equity Carlyle chegou ao Brasil, em 2007, o apetite pelo país não para de aumentar. Quem garante é o vice-presidente da instituição na América Latina, Daniel Sterenberg.

A estabilidade e o crescimento robusto da economia já faziam do mercado brasileiro o segundo mais importante na lista de emergentes em que o Carlyle atua, mas a compra da CVC, maior operadora de turismo do Brasil, vai obrigar a empresa a conhecer melhor as características do país e as boas oportunidades que ele pode oferecer.

Segundo Sterenberg, o tipo de financiamento usado na compra da CVC deve servir inclusive como modelo para as futuras aquisições. O setor de turismo, porém, é só um dos que interessam ao grupo. Companhias ligadas à expansão da classe média, como as de varejo ou consumo, estão entre os alvos prioritários.

(Portal Exame)

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.