Clube fechado na Bionovis

Quem comprar o laboratório brasileiro Aché, que está em negociações avançadas para ser vendido, terá uma cláusula de barreira na Bionovis, associação entre EMS, Hypermarcas, União Química e o próprio Aché, para produção de remédios biológicos, comandada por Odnir Finotti. Pelo acordo de acionistas, os sócios nacionais detêm obrigatoriamente a mesma participação. Se a Hypermarcas e o BTG, favoritos na disputa pelo passe da farmacêutica das famílias Siaulys, Depieri e Baptista, forem os vencedores, serão obrigados a diluir suas participações, para manter fatias iguais com os demais parceiros. Caso o vencedor seja um estrangeiro, o Aché será convidado a deixar a joint venture. A venda da farmacêutica paulista é um negócio estimado em mais de R$ 10 bilhões.

(Isto é Dinheiro)

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *