Famastil prepara primeira fábrica fora do Rio Grande do Sul

O crescimento da construção civil, que vem fazendo a alegria de setores de base da indústria como siderurgia e cimento, também começa a turbinar o desempenho de empresas menores como a Famastil Taurus, de Gramado (RS). A fabricante de ferramentas manuais inaugurou uma fábrica em março, prepara-se para colocar outra em operação em setembro e já faz os planos para abrir a primeira unidade industrial fora do Rio Grande do Sul, além de centros de distribuição no Nordeste e Norte do Brasil e no Chile até 2011.

A partir de setembro a Famastil – que tem 35% do capital controlado pela Forjas Taurus – também começará a vender ferramentas elétricas com a marca F-Power, importadas da China, disse o diretor de marketing, Giuliano Tissot. Neste ano a linha vai incluir produtos para jardinagem e limpeza, como cortadores de grama e máquinas de lavagem a jato, e no fim do primeiro semestre de 2011 ela será encorpada com aparelhos para o segmento da construção, como furadeiras, parafusadeiras e serras.

Segundo Tissot, o faturamento bruto da Famastil cresceu 36% no primeiro semestre em comparação com o mesmo período de 2009 e deve fechar o ano em R$ 130 milhões, frente aos R$ 88,4 milhões do exercício passado. Em 2011, só as linhas de ferramentas elétricas para jardinagem e limpeza devem agregar mais R$ 25 milhões a R$ 35 milhões, conforme o executivo. As exportações, a maior parte para a América Latina, respondem por 10% a 12% das receitas.

Os projetos tocados pela empresa representam investimentos de R$ 10 milhões no período 2010-2011. Em março foi inaugurada uma fábrica de mangueiras para jardim, também em Gramado, com capacidade instalada de 600 mil metros por mês. Há um ano e meio a Famastil revendia produtos de terceiros, que foram substituídos pela fabricação própria, cerca de 300 mil metros por mês. Conforme Tissot, até dezembro o plano é ampliar a fábrica com a instalação de uma linha de eletrodutos.

No início de setembro a Famastil coloca em operação a fábrica de carrinhos de mão com capacidade para produzir 20 mil unidades por mês. "Vamos partir com quase 50% de utilização da capacidade porque até agora vendemos 8 mil a 9 mil peças por mês, fornecidas por terceiros", explicou o diretor. No fim de 2011 uma unidade semelhante será instalada na Bahia ou em Minas Gerais, para atender aos mercados do centro e do Nordeste do país, disse o executivo.

De acordo com ele, os carrinhos de mão são usados tanto por construtoras como por construtores independentes e para uso em jardinagem. As estimativas são de que o mercado para o produto oscila entre 150 mil e 200 mil unidades por mês no país. Já a linha de ferramentas elétricas com a marca da empresa terá preço médio de R$ 150 na venda para os lojistas.

Com os centros de distribuição projetados para 2011 a Famastil pretende facilitar a entrega dos 2,3 mil itens do portfólio (sendo 70% de fabricação própria) que hoje são despachados diretamente de Gramado para os clientes finais. Conforme Tissot, a unidade do Nordeste deverá ficar em Pernambuco ou na Bahia, enquanto a da região Norte ainda não tem localização definida. A empresa também está concluindo a constituição da subsidiária no Chile.
 
(Sérgio Bueno | Valor)

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.