Hyundai vai montar elevadores com a Wollk, de Pernambuco

Quando se mudou para São Paulo, em setembro de 2008, o executivo da Hyundai Corporation Gi Seob Kim trouxe na mala a missão de expandir para além dos carros os negócios da gigante sul-coreana no Brasil. Passados quase três anos, a companhia anunciou até agora investimentos em uma fábrica de máquinas pesadas e um estaleiro, ambos no Rio de Janeiro, além da produção de automóveis em Piracicaba e do interesse em participar do leilão do trem-bala. Hoje, o executivo assina no Recife o acordo para a montagem local de elevadores.

Trata-se de uma sociedade entre a Hyundai e a pernambucana Wollk Elevadores, do empresário Eduardo Paes Mendonça. Única fabricante fora do eixo Sul-Sudeste, a empresa tem participação discreta em um mercado que neste ano deve movimentar algo em torno de R$ 14 bilhões. Com capacidade de produzir até 400 cabines por ano, a Wollk tem hoje faturamento anual próximo dos R$ 70 milhões, todo ele proveniente de clientes nordestinos.

Com a parceria, que dará origem à Hyundai Elevadores Wollk, a expectativa é de expandir as operações para todo o território nacional e abocanhar uma fatia próxima de 20% nos próximos cinco anos. Além de elevadores, está prevista a montagem local de plataformas e esteiras rolantes.

Os equipamentos serão trazidos da Coreia do Sul e montados na fábrica da Wollk (sistema CKD, usado na indústria automotiva), localizada na zona norte da capital pernambucana. De acordo com as partes envolvidas, deverá haver a nacionalização de alguns componentes dos elevadores, porém não revelaram quais seriam. A produção está prevista para começar ainda nesta terça-feira, logo após a assinatura da parceria.

De acordo com o executivo sul-coreano, uma das principais armas da Hyundai para competir no mercado de elevadores é transferir para o segmento o mesmo conceito adotado recentemente para os veículos, de uma espécie de "democratização do luxo". Assim a empresa, diz ele, quer oferecer elevadores de última geração a todos os tipos de empreendimentos.

A unidade pernambucana poderá oferecer aos clientes equipamentos capazes de avançar até 1.080 metros em um minuto, velocidade bem superior aos elevadores mais rápidos produzidos atualmente no país, que chegam a 600 metros por minuto, garante ele.

A expansão da economia nordestina tem atraído cada vez mais o interesse de conglomerados sul-coreanos. Além da Hyundai, grupos como Samsung, Dongkuk e Posco têm negócios importantes na região, nos setores naval e siderúrgico. LG, Daewoo, Hyosung e Hanhwa também prospectam oportunidades em vários setores.

(Murillo Camarotto | Valor)

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.