Nobel estreia franquia de papelaria

A rede de livrarias Nobel quer se diversificar e planeja para este ano a estreia de uma rede de franquias de papelaria. Segundo afirmou ao Valor o presidente do grupo, Sérgio Milano Benclowicz, a companhia também tem foco na expansão do segmento dos livros infantis e na entrada em mais um mercado latino-americano para este ano.

"Vamos investir mais em áreas que estão crescendo", declarou. A rede vai começar a vender a partir de junho a nova franquia Nobex – uma papelaria, que também oferecerá os títulos mais vendidos da livraria.

A marca já existia desde julho de 2008, mas ainda não tinha sido trabalhada pelo grupo."Nossa estratégia não deixa de ser uma operação de hedge, de segurança, para dividirmos os ovos em várias cestas", considerou Benclowicz.

A ideia da companhia é atingir os mercados que não comportam a livraria, como cidades menores ou shoppings centers que já possuem uma megastore de concorrentes. O lançamento será nacional e já há duas lojas em negociações avançadas, em Piracicaba e no Rio de Janeiro. A companhia espera abrir ao menos seis Nobex em 2010.

Uma franquia Nobex custará em média ao franqueado R$ 250 mil, um pouco mais do que os R$ 200 mil de capital inicial exigidos pela Nobel Livraria, e oferecerá um prazo de retorno do investimento parecido, de 24 a 36 meses.

Há dois anos, a rede chegou a fechar uma parceria com a rede Gimba para entrar no mercado de materiais de papelaria, mas a ideia envolvia o projeto de atacarejo, para concorrer com a Kalunga, o que prejudicou sua continuidade, diante dos altos investimentos necessários para a franquia.

O segmento infantil é o outro foco da companhia. Com os investimentos da empresa nos produtos de marca própria, pela editora Nobel, as projeções de lançamentos apontam para 150 títulos infantis neste ano.

O setor é promissor, pois hoje é o que mais cresce no mercado de livros brasileiro e deverá sofrer pouca concorrência dos e-books. Benclowicz explica que os livros infantis tendem à resistir à digitalização para não se parecerem com jogos no computador.

Para 2010, a rede Nobel prevê um crescimento de 15% no número de lojas – hoje ela possui 215 estabelecimentos, sendo 190 nacionais e 25 internacionais – e de 10% em termos de faturamento, o mesmo avanço apresentado em 2009, quando a receita da empresa totalizou cerca de R$ 150 milhões.

Já presente em Portugal, Espanha, Angola e Colômbia, a Nobel parte, ainda neste ano, para um segundo país na América Latina: as apostas desta vez estão voltadas para o Peru."Não está certo ainda (que a nova loja será no Peru), mas estamos conversando", disse o executivo da Nobel. Hoje as operações internacionais representam 5% dos negócios da Nobel.

(Vanessa Dezem | Valor)

 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.