Pedido de registro de marca de empresas cresce 24% no país

Neste ano, a quantidade de pedidos de registro de marcas feitos por micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais cresceu 24%, segundo o Inpi (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual).

De janeiro a agosto foram protocoladas 24.115 solicitações. No mesmo período de 2009 foram 19.378.

O aumento foi superior ao registrado entre médias e grandes companhias, que tiveram incremento de 6%. Juntas, elas somaram 45.886 neste ano e 43.212 em 2009.

Um dos motivos para a alta é a redução do valor do pedido de marca para pequenas empresas. Até maio do ano passado, o Inpi cobrava R$ 260 -agora pede R$ 120.

Desde janeiro deste ano, microempreendedores individuais também passaram a pagar R$ 120 pelo serviço.

Especialistas creditam esse crescimento a outro fator: o aquecimento da economia brasileira.

A criação de modelos de negócio, produtos e serviços faz empresários ficarem mais atentos ao registro da marca. Sem ele, não há resguardo legal caso um concorrente adote o mesmo nome.

"Há um aumento de competitividade", pontua o diretor de assuntos internacionais da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), Ivan Pinto.

Entre novas marcas nessa disputa está a da especialista em marketing Thais Angelotti, 29. Neste ano, a empresária registrou a JellyG.com.br, clube de descontos na web.

"Foi tudo feito pela internet, em apenas 15 minutos."

(Caroline Pellegrino | Folha Online)

 

 

 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.