Setor financeiro atrai com potencial de crescimento

A maior atratividade que o mercado brasileiro vem despertando entre os investidores estrangeiros faz com que as ações ordinárias (ON, com direito a voto) da BM&FBovespa também aparecem entre as mais sugeridas, com três recomendações.

A Bradesco Corretora é uma das que mantém os papéis da BM&FBovespa entre suas recomendações. A empresa deve ser bastante beneficiada com a expansão dos volumes negociados no pregão, avalia Carlos Firetti, chefe da área de análise da instituição. "Mesmo com essa queda do mercado, os volumes devem continuar altos, com maior giro nas carteiras", diz. Além disso, o analista tem uma visão bastante favorável para o aumento no volume com derivativos e do número de pessoas físicas na bolsa.

As perspectivas para a ação são otimistas também por conta da ampliação dos algoritmos – modelos matemáticos de avaliação de preços. Com eles, o investidor consegue automaticamente definir e fechar negócios, dando mais rapidez às operações. Espera-se ainda um retomada das aberturas de capital (IPO, na sigla em inglês).

Além de Itaú Unibanco, a expansão do crédito também deve beneficiar o setor de construção e, nesse segmento, as ações ordinárias da Cyrela aparecem com duas recomendações. A perspectiva é de que os financiamentos habitacionais continuem em ascensão, diz Clodoir Vieira, economista da Souza Barros, que colocou as ON da empresa em sua carteira sugerida para fevereiro. "Isso sem falar no programa do governo Minha Casa Minha Vida, que deve ser ainda mais agressivo neste ano, já que haverá eleição presidencial", avalia o economista.

De carona na expectativa da maior circulação de dinheiro no país por conta dos empréstimos, também aparecem Duratex ON e Localiza ON, com duas recomendações cada uma.

No caso de Duratex, que atua na fabricação de louças e metais sanitários e painéis de madeira, a empresa deve aproveitar os bons números da construção civil. "O ano passado foi muito bom para as construtoras e grande parte desses imóveis será entregue agora, em 2010, e em algum momento terá de ser feito o acabamento nesses apartamentos, beneficiando a empresa", avalia Vieira.

No setor de construção, a Bradesco Corretora tem nos papéis ON da Brookfield sua principal aposta. "As ações se mostram mais baratas em comparação a outros papéis do setor", diz Firetti. "Há o fato também de que a ação deve ser bastante beneficiada com melhores níveis de venda em alguns projetos, principalmente comerciais."

Com duas recomendações, também aparecem as ações do frigorífico Marfrig. Os ganhos de sinergia com a compra da Seara colocam as ON da empresa como uma das principais apostas da Bradesco Corretora. "Com a fusão entre Sadia e Perdigão, os papéis da Seara também devem ganhar espaço entre os varejistas", avalia Firetti. O aumento da renda da população deve trazer ganhos para a empresas, mas isso mais no longo prazo.

Na expectativa de uma recuperação, as PNA da Usiminas, do setor de siderurgia, também compõem a Carteira Valor sugerida para fevereiro. Em 2009, a empresa teve um ano operacional ruim, com vendas, margens e rentabilidade baixa em comparação à CSN, diz Rodrigo Ferraz, gerente de análise da Brascan Corretora. O dólar mais valorizado, no entanto, deve trazer algum benefício à empresa nas exportações. "A Usiminas deve recuperar o tempo perdido no ano passado e possui maior possibilidade de crescimento do que a CSN, por exemplo", avalia ele.

No setor de petróleo, a Bradesco Corretora manteve os papéis da OGX entre suas recomendações. Na visão de Firetti, à medida que o sucesso na capacidade exploratória da empresa cresce, a percepção de risco melhora. Apesar de as ações ordinárias já acumularem alta de 214,55% em 12 meses até ontem, ainda há espaço para novas altas, diz o analista, que tem preço-alvo de R$ 26,50 para o papel, um potencial de ganho de 53% ante o fechamento de ontem, a R$ 17,30.

Completa a lista da Bradesco as ações ordinárias da São Martinho. As boas perspectivas se devem ao fato de a empresa estar ligada ao setor de açúcar e álcool, diz Firetti.

O setor de energia aparece em quatro dos portfólios recomendados pelas corretoras. No portfólio da Brascan, por exemplo, aparecem AES Tietê PN e CPFL Energia ON. Além das duas empresas terem como foco o mercado interno, elas são boas pagadoras de dividendos. Isso reduziria possíveis perdas no caso de a queda atual da bolsa durar mais.

(Luciana Monteiro – Valor Econômico)
 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.