Soros investe R$ 500 milhões no Brasil

George Soros, o megainvestidor que quebrou o banco da Inglaterra em 1992, quando apostou na instabilidade da libra esterlina, e lucrou US$ 1 bilhão em um único dia, aportará R$ 500 milhões neste ano em um grupo brasileiro para entrar no setor de telecomunicações. O investimento será feito na nova holding Quattro Telecomunicações / Sunrise.
 
A Sunrise atua com TV paga desde 2000 em 12 municípios do interior de São Paulo, como Campinas e São José dos Campos, por meio da tecnologia MMDS (micro-ondas) para oferta de TV por assinatura. A Quattro fornece infraestrutura de redes de telefonia e serviços de tecnologia da informação no Rio de Janeiro.
 
A união entre as duas empresas visa de imediato a compra de frequências no leilão de quarta geração (4G) de serviços móveis, marcado para 12 de junho. Para falar dos planos da nova holding, o diretor de operações, Carlos André de Albuquerque, reuniu-se com a conselheira Emília Ribeiro, da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), na segunda-feira. Albuquerque também é diretor-geral da Neotec, associação que reúne os operadores de MMDS. No encontro foram discutidos os últimos detalhes da proposta de anuência prévia feita à agência para que o grupo possa atuar na oferta de banda larga.
 
Ainda sem nome definitivo, a nova empresa precisa do aval da Anatel para a mudança de controle societário, a ser discutido amanhã, durante reunião do conselho diretor da agência.
 
"Vamos primeiro validar a participação do grupo Soros e, depois, diante dos novos processos regulatórios em andamento, tentar criar uma empresa que possa empreender no mercado nacional de banda larga", afirmou Albuquerque.
 
A mudança de regras a que o executivo se refere é o novo Regulamento do Serviço de Acesso Condicionado (SeAC), que passou a reger o mercado de TV por assinatura a partir de março, e passou a permitir a entrada de empresas estrangeiras.
 
Basicamente, o que a Anatel fez foi adaptar as licenças existentes, antes separadas por tecnologia, a uma regra unificada. Depois de tramitar por quatro anos no Congresso, o projeto foi aprovado em setembro do ano passado.
 
O bilionário George Soros já havia manifestado interesse no mercado brasileiro de telecomunicação, sobretudo em 4G. Representantes do fundo Soros Fund Management estiveram no país, em março, segundo afirmou, na ocasião, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.
 
Para que sua a nova empresa participe do leilão, seus dirigentes terão de entregar uma proposta à agência reguladora até o dia 5 de junho. O superintendente de serviços privados da Anatel, Jarbas Valente, foi sorteado pelo conselho da agência para ser o encarregado de estudar o pedido de anuência prévia da companhia.
 
A Sunrise, que até março tinha apenas 342 assinantes de TV por assinatura, possui um ativo muito disputado: outorgas de MMDS na frequência de 2,5 GHz, justamente a faixa a ser leiloada para implantar a tecnologia de quarta geração.
 
Como há limite de aquisição de faixas por cada empresa, a Quattro Telecomunicações/Sunrise terá de escolher se vende essas licenças para comprar as de 4G e atuar na banda larga móvel, ou permanece no mercado de TV por assinatura. Pelas pistas dadas pelo megainvestidor, a primeira opção é a que será foco de sua investida no país.

(Valor)
 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *