Thomson Reuters compra editora

A Thomson Reuters anunciou ontem sua entrada no mercado editorial brasileiro ao adquirir 100% da Revista dos Tribunais, tradicional editora do segmento jurídico. Até então, a presença do grupo americano no país restringia-se à agência de notícias "Reuters" e ao fornecimento de informações para o mercado financeiro.

"Temos forte atuação na área jurídica. No mundo, o faturamento anual nesse segmento é de US$ 3,5 bilhões", disse Gonzalo Lissarrague, vice-presidente sênior da Thomson Reuters Legal para América Latina. O grupo americano detém importantes selos editoriais jurídicos como o La Ley, na Argentina; o Sweet & Maxwell, na Inglaterr; e o West, nos Estados Unidos.

"Decidimos vender a revista porque tínhamos um conteúdo valioso, mas não havia recursos para colocá-lo on-line. Demandaria um investimento de aproximadamente US$ 10 milhões. Agora, poderemos aproveitar a plataforma que a Thomson Reuters já possui", explicou Antonio Belinelo, principal executivo da Revista dos Tribunais e que permanecerá no negócio com a aquisição, cujo valor não foi revelado.

Fundada em 1912, a Revista dos Tribunais é uma empresa familiar e seus integrantes irão compor o conselho da editora.

A Thomson Reuters tem como metas duplicar o faturamento da editora nos próximos cinco anos e contratar 100 pessoas, o que representa um aumento de 30% na atual equipe, segundo Belinelo. Os executivos não revelaram o valores de investimento e da receita da Revista dos Tribunais.

No Brasil, o principal concorrente da Revista dos Tribunais, que possui aproximadamente 2 mil títulos, é a editora Saraiva, conhecida pelo seu forte catálogo na área jurídica.

Além de títulos na área jurídica, o grupo americano possui editoras que atuam nos segmentos de contabilidade, ciências e médico. Questionado se a Thomson Reuters pretende também entrar nessas áreas no Brasil, Lissarrague informou que "não há no momento nada de concreto, mas se encontrarmos algo interessante podemos analisar", explicou o vice-presidente.

O segmento de livros científicos, técnicos e profissionais (CTP) é um dos que mais crescem no mercado editorial brasileiro. De acordo com a Câmara Brasileira do Livro (CBL), essa área movimentou R$ 472 milhões em 2008, uma alta de 13,5% em relação a 2007. Nesse mesmo período, o mercado editorial como um todo registrou avanço de 6,5%.

Além disso, o segmento de livros CTP é um dos mais concorridas com a presença de três fortes grupos nacionais: a paulista Saraiva, o carioca GEN e a gaúcha Artmed. As duas últimas editoras têm como meta crescer por meio de aquisições de outras editoras.
 
(Beth Koike | Valor)

 

 

 

 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.