Expansão da GM no Sul será concluída até início de 2012

Parte da estratégia da General Motors de renovar sua linha de veículos nos próximos anos, o lançamento dos dois carros que serão construídos em Gravataí (RS) foi marcado para outubro de 2012. Para isso, as obras de expansão da fábrica, que começaram oficialmente ontem numa solenidade com a participação da governadora do Estado, Yeda Crusius (PSDB), terão de ser concluídas até o início daquele ano, disse o presidente da montadora no Brasil e no Mercosul, Jaime Ardila.

Pelo menos no início os novos carros do chamado "projeto Onix" vão ampliar o portfólio de produtos de Gravataí e não substituir os Celta e Prisma produzidos na unidade. "Só substituímos modelos quando o mercado para de comprar", disse o executivo, que prometeu produtos desenvolvidos sobre plataformas inteiramente novas.

"Não será só um compacto", adiantou o vice-presidente da GM Brasil, José Carlos Pinheiro Neto. Os novos carros estão sendo desenvolvidos no centro de engenharia e design da empresa em São Caetano do Sul (SP) e por enquanto foi feito apenas um protótipo em argila dos modelos.

A expansão da unidade de Gravataí é parte do pacote de investimentos de R$ 5,1 bilhões no período 2008-2012, já anunciado pela GM. Só as obras no Rio Grande do Sul vão custar R$ 1,4 bilhão. Outros R$ 600 milhões irão para o desenvolvimento da família "Onix" no centro de engenharia em São Caetano e no campo de provas de Indaiatuba (SP), que receberão mais R$ 170 milhões para ampliação e modernização. O bolo inclui ainda R$ 2,9 bilhões para a expansão e desenvolvimento de novos modelos nas fábricas de São Caetano e São José dos Campos (SP) e melhorias em Mogi das Cruzes (SP).

A fábrica de Gravataí terá a capacidade aumentada de 230 mil para 380 mil carros por ano, mas o volume adicional só será preenchido pelos novos modelos em um ano e meio a dois anos, disse Ardila. Quando foi inaugurada, em 2000, a fábrica podia produzir 120 mil veículos por ano e em 2006 ela foi ampliada para 230 mil unidades anuais.

A nova expansão também recebeu incentivos fiscais do governo estadual, que garantiu o financiamento, por 15 anos, de 75% do ICMS gerado pelas vendas dos novos carros. A dívida será paga em 12 anos, após dez de carência, pelo valor nominal. O Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) liberou empréstimo de R$ 344 milhões, enquanto outros R$ 700 milhões estão em fase final de aprovação pelo BNDES.

A GM prevê vender 650 mil carros neste ano, ante quase 600 mil em 2009, quando a participação ficou em 19,9%, mesmo patamar de 2008.

(Sérgio Bueno | Valor)
 

 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.