DICA DE VALOR: Portas em automático. Proa Espírito Santo.

Provavelmente muitos de vocês nunca tiveram a oportunidade de passar por terras capixabas, seja a negócio, seja fazendo turismo. Neste breve artigo, pretendo estabelecer um “plano de voo” que objetiva levá-los a conhecer um pouco da história e da realidade do meu estado, Espírito Santo.

A colonização da então capitania hereditária foi determinada pela corte portuguesa visando primeiramente a ocupação e o desenvolvimento da agricultura, seguindo a pauta da política exploratória colonial. A vocação agrícola da região, por sua vez, já vinha sendo explorada pelos índios, principalmente com plantações de milho e mandioca. Curiosamente, o gentílico capixaba deriva destas “roças” indígenas. Da língua tupi, “capixaba” significa, roça, roçado, terra limpa para plantação. Com isso, os portugueses que lá chegaram passaram a chamar os locais de capixabas, alcunha que dura até hoje.

No período colonial, o Espírito Santo ganhou importância devido à necessidade de se criar uma “muralha verde” para proteger as riquezas encontradas em Minas Gerais. Com o declínio da mineração, a economia da região passou a ser guiada por um estrangulado modelo de produção agrícola. A reviravolta se deu com a chegada das lavouras de café no início do século XIX, que abriram espaço para o progresso do estado. Até meados do século XX, a economia do Espírito Santo ficou à mercê dos ciclos econômicos do café. O surto industrial da região data da década de 1960, quando foram gerados incentivos a grandes projetos industriais.

Mais recentemente, embalado pelo crescimento econômico brasileiro apresentado nos últimos anos, fruto principalmente da conquista da estabilidade econômica, o Espírito Santo vem apresentando crescimento econômico acima da média quando comparado com outras unidades federativas. O estado possui hoje o 5º maior PIB per capita do Brasil. Entre as capitais do Brasil, Vitória possui o 3° melhor IDH e o maior PIB per capita.

O Espírito Santo se destaca como sendo o segundo maior estado produtor de petróleo, o terceiro maior produtor de gás natural, maior exportador de minério e produtos siderúrgicos, maior produtor de rochas ornamentais (mármore e granito) do mundo – com destaque para a cidade de Nova Venécia – maior produtora de celulose, além de possuir uma agricultura diversificada, principalmente do plantio de café, sendo o estado o segundo maior produtor. Também merece destaque a indústria de confecções capixaba, que fabrica roupa para grandes marcas conhecidas nacionalmente e internacionalmente.

Em relação à infraestrutura, o Espírito Santo possui acesso por duas rodovias federais, a BR 101 e a BR 262. O complexo portuário capixaba é responsável por 9,13% de todo o valor exportado pelo País e 4,95% de todo o valor importado, sendo o segundo maior complexo exportador em valor e o sétimo maior importador do Brasil. O principal aeroporto do estado, no entanto, localizado em Vitória, lamentavelmente é um dos piores aeroportos das capitais brasileiras.

Vale lembrar que o recente crescimento econômico, assosciado a políticas públicas mais eficazes, tem garantido também avanços importantes de indicadores sociais, principalmente na área da saúde, educação e segurança pública.

O estado possui localização estratégica com uma área de 46.184 km² e 78 municípios. Está na região Sudeste e próximo das principais metrópoles do País. Isso o torna atração para turistas de lazer, negócios e eventos provenientes de São Paulo, da Bahia e de Minas Gerais.

O turismo na região vem crescendo sensivelmente. O atual momento econômico, somado à qualidade de vida que oferece, transformou o Espírito Santo numa alternativa para o turismo de negócios. Nos últimos anos, o crescimento industrial do Estado está acima da média nacional, o que chamou a atenção de empreendedores para o seu potencial, principalmente na área de petróleo e gás. O estado já é o sexto no País em turismo de eventos e negócios e esse setor aumenta a cada ano, tendo em vista o desenvolvimento acelerado da região. 

Já o turismo para o lazer é uma vocação do estado. Não conheço outro lugar em que você possa comer uma deliciosa moqueca capixaba, aproveitando o sol e o mar, e que em questão de 40 minutos, se for a sua opção, você possa ir à região serrana do estado para aproveitar o clima ameno para tomar vinho, licores e saborear a culinária italiana em excelentes restaurantes.

Referência em beleza natural e famoso pela culinária à base de peixes e frutos do mar, o Espírito Santo tem muito mais a oferecer ao seu visitante. A tradição pesqueira e a herança da cultura indígena e negra influenciaram profundamente a culinária capixaba, tornando-a eclética, produto de muitas influências dos habitantes locais como portugueses, africanos e povos do norte da Europa. Com a vinda de imigrantes europeus, novos pratos foram acrescentados à cozinha capixaba, com destaque para a cozinha italiana.

Entre os pratos típicos mais famosos, cito a torta capixaba e a moqueca, a muma de siri e a caranguejada. Famosa internacionalmente, a moqueca capixaba é o prato mais conhecido da culinária do Espírito Santo. O nome "moqueca" designa um estilo de preparar o alimento que consiste no cozimento sem água, apenas com os vegetais e os frutos do mar e, ao contrário da moqueca baiana, a capixaba não recebe azeite de dendê e nem leite de coco.

A tudo isso, vale acrescentar atrações das mais variadas, como a prática de esportes radicais – que inclui raffting, rapel e voo livre – e passeios ecológicos como a ida ao Pico da Bandeira, com 2.890 metros de altura, o terceiro mais alto do País, localizado na Serra do Caparaó. Sugiro também a visita à fábrica de chocolates Garoto, a visita ao Convento da Penha e a viagem pela rota dos imigrantes, passando por lindas cidades de colonização alemã, italiana e pomerana. Para os mais jovens, recomendo viajarem para Itaúnas, capital nacional do forró universitário. Itaúnas é uma vila localizada no norte do Espírito Santo, e que recebe todos os anos milhares de turistas devido à sua beleza natural (dunas de areia e praias maravilhosas) e aos seus constantes festivais de música.

No verão, milhares de turistas escolhem o Espírito Santo como destino principal para suas férias. A rede hoteleira, a excelência da gastronomia, a calorosa receptividade da população e os 400 km de litoral dotados de lindas praias, são alguns dos atrativos para estes turistas.

As festas religiosas do Espírito Santo, principalmente a Festa da Penha, também atraem turistas para a região. Inegavelmente, uma das maiores heranças da colonização portuguesa foi o catolicismo, carregado inclusive na bandeira do estado, que é composta por três faixas horizontais nas cores azul, branco e rosa, que representam as cores das vestes de Nossa Senhora da Penha, padroeira do estado. Ao centro da bandeira, está escrito o lema "TRABALHA E CONFIA", inspirado na doutrina de Santo Inácio de Loyola, fundador da ordem religiosa Companhia de Jesus: Trabalha como se tudo dependesse de ti e confia como se tudo dependesse de Deus.

Por fim, convido todos vocês a desbravarem o meu estado, assim como os portugueses fizeram há quase 500 anos. Seja fazendo turismo ou através de investimentos duradouros, já que o estado é uma região fértil para novos negócios. O Espírito Santo está preparado para recebê-lo. Tripulação, pouso autorizado.

(Gabriel Rocha Venturim é Gerente de Projetos da Apsis Consultoria)
 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.