Mercado de Fusões e Aquisições: por que pensar nele agora?

O mercado de fusões e aquisições − ou, em inglês, Mergers and Acquisitions (M&A) − engloba operações em que os grupos empresariais buscam expansão de sua atuação comercial, seja por meio de aumento de market share ou da diversificação no seu portfólio de produtos e/ou serviços. Nos últimos anos, notou-se um significativo aumento de transações dessa natureza. Nesse contexto, o mercado brasileiro movimentou pelo menos R$ 258 bilhões no primeiro semestre de 2021, registrando crescimento de 48% em relação ao mesmo período do ano anterior.

A sinalização recorde e a crescente tendência para 2022 guardam, em grande medida, relação com o contexto econômico do Brasil, merecendo destaque o impacto do aumento da taxa de juros este ano.

Sendo assim, é fundamental que o gestor esteja atento às opções no mercado de M&A para, aliado à análise e à gestão de riscos, conseguir aproveitar oportunidades de fechamento de bons negócios. Pensando nisso, elencamos alguns esclarecimentos sobre o tema. Confira!

O que são fusões e aquisições?

Em primeiro lugar, cabe delimitar a que se refere cada um dos termos para esclarecer sobre o funcionamento do mercado de fusões e aquisições. Confira!

  • Fusão: é a operação na qual duas ou mais organizações se fundem para dar origem a uma nova. Trata-se de uma união de esforços definitiva, em que as empresas originais deixam de existir para dar espaço a uma nova pessoa jurídica.
  • Aquisição: é o processo pelo qual uma organização compra a maior parte ou a totalidade das ações de outra. A partir da aquisição, a empresa adquirida se integra à adquirente ou deixa de existir, uma vez que passa a ser controlada por esta.

A partir dos conceitos, é possível perceber o caráter estratégico do mercado de M&A para os ativos do negócio. Entre os reflexos dessas operações, estão a redução da concorrência e a expansão geográfica no mercado, como veremos a seguir.

Por que as empresas recorrem a operações de M&A?

Estudos realizados pela ABES apontam que 86% dos empreendedores brasileiros acreditam que o cenário é promissor para as operações de fusão e aquisição, sendo que 50% deles pretendem realizar alguma dessas transações no curto prazo.

São várias as razões pelas quais as empresas recorrem ao mercado de M&A, com destaque para o aumento da liquidez dos negócios e a mudança na capitalização das companhias durante a pandemia, impulsionado por organizações que passaram a ter suas ações negociadas na bolsa de valores. 

Isso se deve, em parte, à redução da taxa de juros percebida em 2020 ao menor percentual histórico (2% ao ano), com o objetivo de incentivar a atividade econômica. Esse fato, somado ao aumento posterior da inflação e ao reajuste da Selic a 9,25%, fomentou um cenário promissor para as operações de M&A.

Diante do aumento constante da taxa de juros observada, principalmente no segundo semestre de 2021, aliado ao contexto da crise mundial em decorrência da pandemia da COVID-19, muitas empresas não conseguiram ou não estão conseguindo se sustentar no mercado e, assim, passaram a considerar a venda ou o desinvestimento de parte de seus ativos. Assim, instituições mais robustas puderam incorporar empresas menores que não superaram os desafios que surgiram com esse cenário. Para aquelas que conseguiram aproveitar oportunidades de mercado, foi possível:

  • Expandir geograficamente;
  • Diversificar a oferta de produtos e serviços;
  • Aumentar a carteira de clientes;
  • Unir estrategicamente processos e tecnologia;
  • Reduzir custos e aumentar a receita.

Com a continuidade da pandemia e a perspectiva de aumento da taxa de juros, a expectativa é que o mercado de M&A continue aquecido e, com isso, novas oportunidades estão surgindo.

Quando avaliar esses fatores como oportunidade? 

Com dinheiro em caixa, a tendência é que, até 2022, haja uma intensa corrida em busca de oportunidades de fusão e aquisição para a conquista de competitividade no mercado. É inegável, por outro lado, que as eleições previstas para o próximo ano podem desacelerar o processo, uma vez que o risco da política econômica passa a ser considerado.

Do mesmo modo, à medida que os preços sobem pela disposição do mercado em incorporar novos negócios, torna-se ainda mais necessário conhecer os fatores de risco envolvidos e avaliar as propostas com cautela. Por isso, é recomendável que o gestor considere o cenário do mercado de fusões e aquisições no momento, mas sempre no contexto dos riscos envolvidos a curto, médio e longo prazos.

Vale destacar, nesse sentido, a importância da execução de um robusto processo de due diligence contábil, tributária, trabalhista e previdenciária, além da parte jurídica (legal due diligence), antes da tomada de decisão de compra. Trata-se, afinal, do processo pelo qual o gestor levantará dados para verificar a viabilidade financeira de uma possível operação e eventuais passivos e riscos não reconhecidos na contabilidade das empresas target. Assim, torna-se mais tangível visualizar os riscos que seriam assumidos com a transação e devem ser monitorados caso a aquisição se concretize. O processo pode ser desenvolvido antes ou durante as negociações, mas necessariamente deve ser concluído antes da tomada de decisão de investimento.

As conclusões obtidas em um processo de due diligence oferecem ao potencial comprador informações adicionais que podem impactar o valuation das empresas objetos da aquisição e evitam surpresas desagradáveis após concretizar a operação de M&A, que podem impactar significativamente o resultado das adquirentes.

Sem dúvidas, o aquecimento percebido no mercado de M&A representa uma oportunidade para as empresas capitalizadas e que têm como plano o crescimento inorgânico, mas também representa oportunidade para aqueles acionistas que objetivam auferir lucros com o desinvestimento de suas empresas ou marcas. Nesse contexto, acionistas que vislumbram realizar a venda de seus negócios podem contar com o apoio da Apsis para a execução de um trabalho conhecido como pré-due diligence, em que auxiliamos na coleta de informações para preparar o data room e antecipamos eventuais temas que podem impactar negativamente o preço de venda em negociações com potenciais adquirentes. Posteriormente, os acionistas podem contar com a Apsis para o suporte no acompanhamento do trabalho de due diligence a ser realizado pela consultoria contratada pelos potenciais adquirentes. 

Por outro lado, é importante lembrar que uma tomada de decisão de aquisição e/ou fusão exige uma análise cautelosa e bem fundamentada por parte das organizações. Nesse sentido, contar com uma empresa especializada pode ser necessário. A Apsis, por exemplo, oferece soluções de consultoria empresarial capazes de auxiliar no levantamento e na análise de riscos e oportunidades no mercado de fusões e aquisições, conferindo maior segurança à gestão dos ativos do negócio, e também tem expertise em atuar em processos de due diligence contábil, tributária, trabalhista e previdenciária. 

Agora que você já sabe por que deve considerar o mercado de fusões e aquisições, não deixe de conferir as soluções da Apsis para o processo de decisão no seu negócio!

 

+ posts

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.